REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guerra Rússia/Ucrânia: Assassinatos, violações de raparigas, cortes de orelhas, dentes arrancados, câmaras de tortura, deportações: os indícios de crimes horríveis da Rússia na Ucrânia 15 Julho 2022

Especialistas documentam alegados crimes contra a humanidade cometidos por forças russas na Ucrânia, segundo noticia a CNN Internacional Portugal.

Guerra Rússia/Ucrânia: Assassinatos, violações de raparigas, cortes de orelhas, dentes arrancados, câmaras de tortura, deportações: os indícios de crimes horríveis da Rússia na Ucrânia

Um novo relatório da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) revelou que os padrões de atos violentos das forças russas na Ucrânia correspondem à qualificação de crimes contra a humanidade, detalhando ações horríveis das forças russas, incluindo a descoberta de câmaras de tortura num campo de férias em Bucha.

O novo relatório, divulgado na quinta-feira, foi o último exemplo de grupos que documentaram potenciais crimes de guerra cometidos pelas forças russas. Os peritos da OSCE que elaboraram o relatório viajaram até Kiev e encontraram-se com as autoridades ucranianas, bem como com as de Bucha e Irpin, onde encontraram “graves violações” do Direito Humanitário Internacional e da Convenção de Genebra.

O relatório "encontrou provas credíveis" que sugeriam "alguns padrões de atos violentos que tinham sido repetidamente documentados durante o conflito", incluindo "assassinatos, raptos de violações ou deportações maciças de civis, qualificados como um ataque generalizado ou sistemático contra uma população civil".

A missão da OSCE que compilou o relatório escreveu que 1,3 milhões de cidadãos ucranianos foram deportados contra a sua vontade para a Rússia e afirmou que havia provas de que dezenas de milhares de civis tinham sido detidos nos chamados centros de filtragem antes de serem transportados do leste da Ucrânia para áreas controladas pela Rússia.

O embaixador dos EUA na OSCE, Michael Carpenter, afirmou numa declaração que o relatório "dá-nos a oportunidade de recuar e documentar os crimes de atrocidade inconcebíveis, as violações dos direitos humanos e os abusos cometidos por membros das forças russas".

O relatório desta semana é o segundo que a OSCE divulgou documentando as atrocidades cometidas contra a população ucraniana. Em abril, o grupo divulgou o seu primeiro relatório com conclusões semelhantes de "provas credíveis" sugerindo violações dos "mesmo dos direitos humanos mais fundamentais".

Em conjunto, ambos os relatórios "incluem a mais completa contabilidade de provas até à data das violações dos direitos humanos pela Rússia, violações do direito humanitário internacional", disse o porta-voz do Departamento de Estado Ned Price numa declaração após a divulgação do segundo relatório, na quinta-feira.

"Os Estados Unidos e os nossos parceiros procurarão responsabilizar os responsáveis por todas as violações dos direitos humanos e do direito humanitário internacional, incluindo crimes de guerra, que cometem na Ucrânia", acrescentou Price.

O relatório observou que tinha identificado "numerosas violações" do direito humanitário internacional que constituíam crimes de guerra, "se os indivíduos responsáveis puderem ser encontrados".

"Estas violações incluíam maus-tratos a prisioneiros de guerra, assassinato deliberado de civis, ataques deliberados contra civis e contra objectos civis, incluindo escolas, hospitais ou bens culturais, ou o desrespeito dos princípios da distinção, proporcionalidade e precauções", disse o relatório.

O segundo relatório cobriu o período entre 1 de abril e 25 de junho. Os peritos da OSCE viajaram para a Ucrânia para recolher provas, incluindo visitas às cidades de Bucha e Irpin, que, segundo o relatório, eram "dois exemplos emblemáticos das violações do Direito Humanitário Internacional ao abrigo das Convenções de Genebra e dos seus Protocolos Adicionais, que constituem crimes de guerra".

Os peritos observaram que as provas fotográficas e de vídeo mostravam que as forças russas tinham "assassinatos seletivos e organizados de civis em Bucha" que foram encontrados mortos a tiro com as mãos atadas atrás das costas.

"Série de câmaras de tortura"

O relatório documentou uma "série de câmaras de tortura separadas por paredes de betão" descobertas num campo de férias em Bucha, incluindo uma sala que, segundo o relatório, parecia ser utilizada para execuções com buracos de bala nas paredes.

Numa outra sala, onde os peritos disseram haver provas de tortura e waterboarding [técnica de tortura que consiste em simular um afogamento], foram encontrados cinco homens mortos. "Estavam cobertos de queimaduras, hematomas e lacerações", disse o relatório.

Numa outra aldeia em Bucha, os corpos de 18 homens, mulheres e crianças foram descobertos numa cave. O relatório dizia que "alguns tinham as orelhas cortadas, enquanto outros tinham os dentes arrancados".

A missão da OSCE escreveu que os relatos de mulheres e raparigas violadas e abusadas sexualmente pelas forças russas "tornaram-se abundantes", especialmente em territórios recentemente ocupados.

O relatório assinalou vários casos particularmente atrozes, incluindo um relatório da Comissária para os Direitos Humanos, Lyudmyla Denisova, que afirmou que 25 raparigas com idades entre os 14-24 anos foram mantidas numa cave em Bucha e violadas em grupo. Nove ficaram grávidas, segundo o relatório.

O relatório também documentou casos de civis ucranianos utilizados como "escudos humanos", sendo forçados a lutar ao lado de russos contra o seu próprio país na guerra em curso e sendo deslocados para a Rússia sem o seu consentimento.

O relatório observou que "soldados russos utilizaram mais de 300 civis ucranianos como escudos humanos e mantiveram-nos cativos durante 25 dias em março na cave da Escola Yahidne, onde se encontrava um importante campo militar russo".

O “recrutamento”, que significa serviço militar forçado, "foi imposto a todos os homens locais entre os 18 e os 65 anos de idade em áreas sob controlo russo no Donbass, bem como em Kharkiv, Kherson, e Sumy", disse o relatório.

"Cerca de 2.000 crianças de vários orfanatos e instituições infantis" foram "alegadamente transferidas para a Rússia, apesar de terem familiares vivos e estarem nas instituições apenas para cuidados médicos", de acordo com o relatório. A Semana com CNN Internacional Portugal.

....

Foto de topo: homens catalogam corpos de civis mortos em Bucha e arredores antes de serem transportados para a morgue num cemitério em abril de 2022 em Bucha, Ucrânia. Foto Efrem Lukatsky/AP

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project