NOTÍCIAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

“Guerra” eleita "palavra do ano 2022" com mais de 50% das escolhas no ’site’ da editora 05 Janeiro 2023

O vocábulo “guerra” foi eleito “palavra do ano” de 2022, anunciou hoje a Porto Editora, promotora da escolha, que contou com mais de 36.000 participantes.

“Guerra” eleita

“Guerra” obteve 53% dos votos. Quando foi apresentada a iniciativa, no início de dezembro passado, a escolha deste vocábulo foi justificada pela "invasão da Ucrânia pela Rússia [que] deu início ao maior conflito militar na Europa desde a Segunda Guerra Mundial [1939-1945]".

No segundo lugar, com 18% das intenções de voto, ficou o vocábulo “inflação” e o pódio completa-se com “urgências”, que arrecadou 6,6%.

No 4.º posto ficou “rainha”, com 5,3%, palavra escolhida numa alusão à morte de Isabel II de Inglaterra, a 8 de setembro último, em Balmoral, na Escócia.

“Energia”, com 4,8% ficou em 5.º lugar, seguindo-se “seca”, “abusos” e “ciberataque”, respetivamente com 3,9%, 3,2% e 2% dos votos.

O termo “seca” constava da lista por, em 2022, "o país [ter enfrentado] uma das piores secas dos últimos 100 anos", e “abusos” também se encontrava entre ’finalistas’, por a Igreja Católica ter constituído uma comissão independente para investigar casos de abusos sexuais nas suas instituições, “tendo recebido mais de 400 denúncias”.

“Ciberataque” fez parte do elenco de palavras postas à escolha, pelo facto de os "ciberataques [terem alcançado] este ano uma dimensão sem precedentes e afetaram gravemente diversos organismos e empresas".

A fechar a lista ficaram os vocábulos “nuclear” e “juros”, ambos com 1,7% dos votos escrutinados.

A lista das dez palavras escolhidas foi votada ’online’, entre 1 e 31 de dezembro.

Promovida pela Plural Editores, do Grupo Porto, a iniciativa decorreu também Angola e Moçambique, cujos resultados “serão divulgados pela Plural Editores ainda este mês”.

No ano passado, em Portugal, "vacina" foi eleita "palavra do ano", sucedendo a "saudade" (2020).

A iniciativa “palavra do ano” começou em 2009, tendo sido eleita “esmiuçar”, a que se seguiram “vuvuzela” (2010), "austeridade” (2011), “entroikado” (2012), “bombeiro” (2013), “corrupção” (2014), “refugiado” (2015), “gerigonça (2016), “incêndios” (2017), “enfermeiro” (2018) e “violência doméstica (2019).

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project