LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique/Ataques: PR diz que Cabo Delgado está aberto aos jornalistas, mas é “zona de guerra” 01 Setembro 2020

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, considerou hoje "notícias falsas" alegadas informações de que a província de Cabo Delgado, norte do país, está vedada a jornalistas, mas avisou que se trata de uma "zona de guerra e imprevisível".

Moçambique/Ataques: PR diz que Cabo Delgado está aberto aos jornalistas, mas é “zona de guerra”

"Contrariamente a notícias falsas de pessoas que estão deslocadas do palco dos acontecimentos, a província de Cabo Delgado não está fechada aos jornalistas", disse Filipe Nyusi.

Segundo a Lusa, o Presidente referiu-se à situação em Cabo Delgado, palco de ações de grupos armados, quando falava durante o lançamento da Agência de Desenvolvimento Integrado do Norte (ADIN), entidade estatal criada para a promoção do desenvolvimento da região.

De acordo com a mesma fonte, o chefe de Estado moçambicano alertou, contudo, que a movimentação na província de Cabo Delgado está sujeita aos condicionalismos típicos de uma zona de guerra.

"É zona de guerra e é imprevisível", alertou Filipe Nyusi.

Várias organizações nacionais e internacionais acusam as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas e os grupos armados que atuam na região de tornar impossível o trabalho dos jornalistas e de investigadores independentes no contexto da violência armada em curso na província de Cabo Delgado há cerca de três anos, escreve Lusa.

Ibrahimo Abu Mbaruco, avança a fonte, jornalista de uma rádio comunitária do distrito de Palma, na província de Cabo Delgado, está desaparecido há quatro meses e não se conhecem desenvolvimentos em relação a uma investigação ao caso anunciada pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

No início de 2019, os jornalistas Amade Camal e Germano Adriano foram mantidos em cativeiro num quartel militar, tendo sido libertados após pressões internas e internacionais.

Ambos são alvo de processos-crime, cujo desfecho ainda não aconteceu.

Lusa explica que, ainda no ano passado, os jornalistas Anastácio Valoi e o ativista moçambicano da Amnistia Internacional (AI) David Matsinhe foram detidos em Cabo Delgado.

No início deste ano, o jornalista do canal privado STV, Izidine Achá, foi momentaneamente detido a exercer a atividade na cidade de Pemba, capital de Cabo Delgado, refere a notícia avançada pela Lusa.

Em 2019, prossegue o CDD, um outro jornalista, Amade Abubacar, esteve privado de liberdade durante três meses, num quartel militar de Mueda, em Cabo Delgado.

A província de Cabo Delgado é alvo de ataques por grupos armados desde outubro de 2017, que já causaram a morte de, pelo menos, 1.059 pessoas em quase três anos, além da destruição de várias infraestruturas.

De acordo com as Nações Unidas, a violência armada levou à fuga de 250.000 pessoas de distritos afetados pela insegurança, mais a norte da província.

As Nações Unidas e várias entidades internacionais já classificaram os ataques como uma ameaça ‘jihadista’ e algumas das ações foram reivindicadas pelo Estado Islâmico.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project