LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guiné-Bissau/Eleições: Aceitação dos resultados pelo Presidente cessante é "sinal muito positivo" - CPLP 30 Novembro 2019

O embaixador de Cabo Verde, país que ocupa a presidência rotativa da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), considerou hoje como "um sinal muito positivo" a garantia do Presidente cessante da Guiné-Bissau de que aceita os resultados eleitorais.

Guiné-Bissau/Eleições: Aceitação dos resultados pelo Presidente cessante é

“A comunicação do doutor José Mário Vaz, na qual dizia que, na perspetiva dele, não obstante ter verificado algumas irregularidades no processo eleitoral, aceitava os resultados definitivos que viessem a ser publicados pela Comissão Nacional de Eleições, acho que é um bom sinal, um sinal muito positivo”, afirmou o diplomata cabo-verdiano em Lisboa, Eurico Monteiro, em declarações à Lusa.

O também representante da presidência cabo-verdiana da CPLP em Portugal, que falava à Lusa após uma reunião do Comité de Concertação Permanente daquela organização, considerou que as declarações do atual Presidente da Guiné-Bissau, derrotado na primeira volta das presidenciais, “demonstram que se está a criar um bom ambiente para, depois das eleições, haver aquilo que toda a comunidade internacional deseja, que é, sobretudo, que haja estabilidade política que permita, de facto, à Guiné-Bissau aproveitar todas as suas potencialidades.

"Creio que estas declarações caíram muito bem em vários países e no seio da comunidade internacional, e no seio da CPLP também", sublinhou.

Segundo a mesma fonte, o diplomata cabo-verdiano salientou que a CPLP tem acompanhado com "muita atenção" e teve uma presença "muito significativa" e "muito ativa" na preparação da primeira volta das eleições presidenciais naquele país, realizadas no domingo passado.

"Fizeram-se algumas missões antes, houve uma concertação muito estreita com as autoridades e com as outras organizações sobretudo no quadro do grupo P5, do qual a CPLP faz parte. Acho que nunca a CPLP esteve tão ativa como nestes últimos tempos na Guiné-Bissau", afirmou.

Quanto à missão de observação eleitoral que a CPLP poderá enviar para a segunda volta das eleições presidenciais naquele país, Eurico Monteiro adiantou que vai ser liderada pela mesma pessoa que chefiou a da primeira volta, o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação de Moçambique Oldemiro Balói.

"O doutor Balói vai chefiar também a próxima missão para as eleições do dia 29 [de dezembro] e estamos a tempo de fazer um calendário para que os membros que compõem a missão possam estar já entre 26 e até 30 de dezembro na Guiné-Bissau (...), esperando, que as coisas também vão correr bem", disse.

Mas admitiu que alguns dos elementos que compuseram a missão de obseravção para a primeira volta possam não ser os mesmos, apesar de todos os Estados-membros "estarem a fazer um esforço para que os membros que participaram na primeira ronda das eleições sejam os mesmos na segunda ronda, já que têm o conhecimento do terreno, o que vai facilitar a organização".

Como a segunda volta das eleições "decorre numa janela temporal relativamente complicada, entre o Natal e Ano Novo, e pode haver dificuldades de deslocação atempada de alguns elementos", o que os Estados-membros da CPLP estão a tentar, segundo o diplomata, é que "em termos substanciais não haja uma alteração significativa na composição da delegação", disse Eurico Monteiro.

O Presidente cessante da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, disse no próprio dia em que se realizou a primeira volta das eleições que aceitaria os resultados eleitorais das presidenciais realizadas domingo, mas salientou esta quinta-feira que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) sabe "perfeitamente" quem deveria estar na segunda volta.

"Eu continuo fiel aos ideais da paz, da democracia e da liberdade que sempre me nortearam e aceitarei quaisquer resultados que sejam publicados pelo órgão de gestão eleitoral, Comissão Nacional de Eleições", afirmou José Mário Vaz aos jornalistas, salientando antes o que considerou serem algumas irregularidades.

Algumas das irregularidades apontadas pelo Presidente cessante prendem-se com o atraso no cumprimento de prazos eleitorais, nomeadamente publicação dos cadernos eleitorais e funcionamento das assembleias de voto, e de "terem aparecido urnas com votos previamente preenchidos".

José Mário Vaz falava na sua sede de candidatura, onde fez uma declaração de cerca de 15 minutos, sem direito a perguntas.

Na declaração, o Presidente cessante felicitou também todos os candidatos que participaram nas eleições domingo e desejou "boa sorte" aos dois que vão disputar a segunda volta, marcada para 29 de dezembro.

"Uma chamada de atenção do Presidente da República à comunidade internacional, apesar das irregularidades, aceito o resultado a fim de contribuir para a pacificação da sociedade", notou, conforme a Lusa.

A segunda volta das presidenciais vai ser disputada entre Domingos Simões Pereira e Umaro Sissoco Embaló.

Domingos Simões Pereira, apoiado pelo Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) foi o candidato que obteve maior percentagem de votos, 40,13%, não conseguindo mais de metade para vencer à primeira volta.

Umaro Sissoco Embaló, apoiado pelo Movimento para a Alternância Democrática (Madem-G15), foi o segundo mais votado e obteve 27,65% dos votos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project