LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Governo admite envolvimento de rebeldes de Casamança no ataque 05 Fevereiro 2022

O Governo da Guiné-Bissau admitiu este sábado (05.02), o envolvimento de rebeldes de Casamança e de "certas personalidades" no ataque perpetrado terça-feira (01.02), contra o Palácio do Governo, em Bissau.

Guiné-Bissau: Governo admite envolvimento de rebeldes de Casamança no ataque

O porta-voz do Governo e ministro do Turismo, Fernando Vaz, disse que o "bárbaro atentado" foi feito por um "grupo de militares e paramilitares" e que visava "a decapitação do Estado guineense, com recurso a pessoas envolvidas no narcotráfico e contratação de mercenários, rebeldes de Casamança".

Fernando Vaz deu uma conferência de imprensa antecedida da leitura de comunicado aos jornalistas no Ministério do Turismo, situado no Palácio do Governo, em Bissau, onde a segurança está a ser garantida pelos comandos.

Provas irrefutáveis

Segundo Vaz, as "provas recolhidas pela Comissão de Inquérito" e que vão ser entregues ao Ministério "demonstrarão que são bastantes e irrefutáveis".

"Os indícios de participação de pessoas com ligações ao narcotráfico (...) são baseados em fatos reais, exaustivamente documentados. Existem imagens e outras provas materiais que a seu tempo, sem perturbação do inquérito, serão trazidas a público para a avaliação de todos", afirmou o porta-voz do Governo guineense.

Guinea-Bissau I Putschversuch in Bissau gescheitert, mehrere Tote
Por outro lado, o também Ministro do Turismo salienta que "as ligações dos autores materiais do atentado a certas personalidades também estão objetivamente sustentadas por provas contundentes e irrefutáveis”.

"O planeamento da operação terrorista, o ’modus operandi’ e os objetivos preconizados, dos quais o grupo terrorista atacante estava incumbido, estão a ser relatados pelos próprios intervenientes, que já se encontram sob custódia das autoridades e têm suporte em provas recolhidas", garantiu Fernando Vaz.

Caça às bruxas?

O ministro sublinhou que não existe "qualquer intenção de caça às bruxas ou de penalização de pessoas inocentes", mas sim, "existem factos, provas e depoimentos que coincidem com as provas materiais recolhidas pela investigação", disse.

Questionado pelos jornalistas sobre o número de detidos, o ministro afirmou que o "poder judicial é que trata do assunto".

"Há uma comissão de inquérito criada pelo Governo que fará o seu trabalho e no fim remeterá o relatório ao Ministério Público, que com certeza vos poderá responder futuramente a essa questão", disse.

Sobre um alegado envolvimento de políticos, o ministro afirmou que o "comunicado é claro" e que a "comissão de inquérito aponta nesse sentido".

Questionado como conseguiram ser identificadas os rebeldes de Casamança, Fernando Vaz explicou que foram identificados por testemunhas.

O ministro apenas confirmou a detenção de alguns elementos e que a seu tempo o Ministério Público revelaria mais informação. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project