ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Morreu Luís Cabral, primeiro presidente do país 31 Maio 2009

O primeiro presidente da Guiné-Bissau, Luís Cabral, irmão de Amílcar Cabral, morreu este sábado em Lisboa vítima de doença prolongada, noticia a agência Lusa. O extinto vivia desde os anos oitenta em Portugal, depois de afastado do poder por um golpe de Estado liderado por Nino Vieira.

Guiné-Bissau: Morreu Luís Cabral, primeiro presidente do país

Com o irmão Amílcar, Aristides Pereira, Fernando Fortes e Abílio Duarte e Elysée Turpin, Luís Cabral integra a lista dos fundadores do PAIGC, partido formado em meados dos anos 50 do século passado, em Bissau, e que pugna pela independência da Guiné e Cabo Verde.

Luís e Amílcar Cabral eram meio irmãos, pelo pai Juvenal Cabral, professor primário e figura destacada do seu tempo. Amílcar e Luís, a par de outros irmãos, nasceram na Guiné e trazidos depois para Cabo Verde, quando Juvenal e a família se transferem para a ilha de Santiago, mais concretamente para Santa Catarina, de onde era natural.

Depois da morte de Amílcar, em Janeiro de 1973, Luís assume a co-direcção do PAIGC, com Aristides Pereira. A 24 de Setembro desse mesmo ano é eleito pela Assembleia Nacional Popular, em Madina do Boé, presidente da República da Guiné-Bissau, proclamada na mesma ocasião, unilateralmente, pelo PAIGC.

Luís Cabral foi afastado do poder a 14 de Novembro de 1980 através de um golpe de Estado capitaneado pelo seu então primeiro-ministro, João Bernardo “Nino” Vieira, morto em Março passado. Esse golpe acaba também por representar o fim do projecto da unidade entre a Guiné e Cabo Verde, surgindo em Cabo Verde o PAICV a 20 de Janeiro de 1981.

Depois de alguns meses retido em Bissau Luís Cabral é finalmente autorizado a embarcar para Cuba, onde permanece por algum período, altura em que viaja para Cabo Verde. Aqui também permanece pouco tempo, fixando finalmente residência em Portugal, onde agora acaba por morrer.

Luís Cabral é autor de “Crónicas de libertação”, publicado em Portugal nos anos oitenta, onde narra a história do PAIGC e a sua própria trajectória pessoal. Há anos que acalentava publicar um segundo livro, neste caso, para contar a sua experiência presidencial e o que se seguiu. Ele tinha 78 anos, feitos a 10 de Abril passado.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project