LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Guiné-Bissau: Presidente da CNE coagido a forjar números, afirmou a mandatária de Simões Pereira 09 Janeiro 2020

A mandatária da candidatura de Domingos Simões Pereira às eleições presidenciais da Guiné-Bissau afirmou ontem que o presidente da Comissão Nacional de Eleições (CNE) foi coagido por militares a forjar números e a "ignorar a soberania popular".

Guiné-Bissau: Presidente da CNE coagido a forjar números, afirmou a mandatária de Simões Pereira

“Nas eleições de 29 de dezembro, para atribuir a vitória parcial ao candidato do MADEM-G15, o presidente da CNE, José Pedro Sambu, fora coagido a cometer um erro grotesco. O facto de ter sido obrigado pelas Forças Armadas e de ter perdido a sua liberdade de pensamento e de ação, levou-o a forjar números e ignorar a soberania popular”, escreve Ester Fernandes, antiga ministra da Administração Territorial, numa carta divulgada na página oficial de Domingos Simões Pereira.

O candidato às presidenciais do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e presidente do partido, Domingos Simões Pereira, pediu no final da semana passada a impugnação dos resultados da segunda volta das presidenciais do país, que deram a vitória ao candidato Umaro Sissoco Embaló.

“As provas apresentadas pelo PAIGC à justiça abundam. Há crimes e manipulação de toda a ordem. A alteração dos números foi construída com base na tentativa de ludibriar observadores nacionais e internacionais. Tentam legitimar fraudes que culminariam com a vitória do candidato derrotado”, refere Ester Fernandes.

Para a antiga ministra, só a declaração da Justiça de que a “vitória parcial do candidato Sissoco é inválida, nula e sem efeito permitirá que a imagem desta mesma justiça não caia totalmente no descrédito entre a maioria do povo guineense – que votou num candidato e está a ver o seu voto ser deitado no lixo”.

Segundo Ester Fernandes, a “certeza de impunidade de Umaro Sissoco é tão grande que o alegado vitorioso já está em marcha de agradecimento pelos países africanos que apoiaram a sua candidatura”.

“Inconformados com a possibilidade de uma derrota nas urnas, os adversários tramaram este crime que agora é endossado por um presidente da CNE totalmente acuado e impedido pela cobardia e falta de responsabilidade de explicar à nação tudo o que lhe aconteceu e que expõe o nosso país a uma das maiores vergonhas de que se tem notícia”, afirma.

Na sequência da impugnação dos resultados pela candidatura de Domingos Simões Pereira, o Supremo Tribunal de Justiça guineense notificou a candidatura de Umaro Sissoco Embaló e a CNE para se pronunciarem num prazo de 48 horas, que terminou ontem.

O Supremo Tribunal de Justiça deverá anunciar a sua decisão até sexta-feira.

Segundo os resultados provisórios apresentados pela Comissão Nacional de Eleições, o general Umaro Sissoco Embaló venceu o escrutínio com 53,55% dos votos, enquanto o candidato Domingos Simões Pereira, apoiado pelo PAIGC, conseguiu 46,45%. Fonte: Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project