SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Homem de 66 anos acusa agente da Polícia Nacional de tentar encobrir presumível roubo no seu apartamento 29 Junho 2020

A polémica está instalada com uma queixa apresentada pelo cidadão Domingos (Toty) Cardoso, de 66 anos (ver na foto), à Esquadra Policial de Palmarejo, na Cidade da Praia, no passado dia 15 de Maio. Este professor reformado procurou o Jornal Asemanaonline para manifestar o seu descontentamento, alegando que a Polícia Nacional em Palmarejo não tem agido de forma correta para investigar e ajudá-lo a descobrir os suspeitos que, presumivelmente, lhe tenham roubado um número considerável de livros pessoais, no apartamento onde reside, em Palmarejo, cidade da Praia. Por isso, acusa um agente que suspeita estar a tentar encobrir o caso. Em reação, o comandante da Esquadra de Palmarejo apenas informou que já encaminhou a queixa para o Ministério Público.

Homem de 66 anos acusa agente da Polícia Nacional de tentar encobrir presumível roubo no seu apartamento

Aflito com o desaparecimento de 15 livros pessoais (Enciclopédias, Dicionários, Revistas), Domingos Cardoso mostra-se indignado com o caso que não ata nem desata. Por isso, aponta o dedo à Esquadra da Polícia Nacional em Palamarejo pela falta de diligências no sentido de o ajudar a descobrir os suspeitos que, presumivelmente, têm chaves da porta do apartamento onde reside e que lhe tenham roubado os referidos livros. “O mais estranho é que, até este momento, o agente autuante, que recebeu a queixa, nunca terá preocupado em notificar os suspeitos para audiências ou apresentação de declarações para eventuais averiguações”, assegura o denunciante, presumindo que a própria Polícia Nacional está a encobrir o roubo.

Este diário digital sabe que Domingos Cardoso aponta como suspeitos o dono do apartamento, um casal e um indivíduo que moram em quartos contíguos.

Entretanto, conforme adianta a este jornal, o agente que se encontrava de serviço e que lhe recebeu a queixa (Álvaro Lopes Souto Amado), “em vez de fazer o registo e anotação dos suspeitos apresentados, escreveu que a queixa tinha sido feita contra desconhecidos. O dono do quarto onde eu resido continua na posse das três chaves do meu quarto e, por isso, acho que a Polícia não quer descobrir o acontecido, por ser eu a parte que clama pela justiça”, argumenta.

Fazendo boa-fé de que o agente autuante estaria a agir eticamente correcta, Domingos Cardoso garante ao Asemanaonline que assinou o texto da queixa, sem que o tivesse lido. “Pois ele não mo deu para ler”.

Posição do Comandante da Esquadra local

Perante a esta acusação, o Asemanaonline ouviu a reação da Polícia Nacional sobre a queixa em causa, mas o Comandante da Esquadra Policial local, Cecílio Rodrigues, garantiu que a queixa já foi encaminhada ao Ministério Público para proceder aos trâmites legais, ouvindo posteriormente as partes envolvidas.

Recorde-se que, nos últimos dias, este diário digital tem recebido, na Praia, várias denúncias por parte de cidadãos, acusando alguns policiais da referida Esquadra por atuações alegadamente abusivas, nomeadamente durante o período em que vigorou o estado de emergência na sequência da pandemia de Covid -19.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project