INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Hong Kong: Carrie Lam recua na lei da extradição mas protestos continuam agora a pedir ’demissão do executivo pró-chinês’ 17 Junho 2019

A região administrativa especial voltou este domingo a sair à rua, mesmo depois do pedido de desculpas da chefe do executivo, Carrie Lam, que afirmou que a lei controversa será suspensa. Manifestantes em número recorde, muitos deles vestidos de luto, pedem a retirada definitiva da lei, mas também do ’executivo pró-chinês’.

Hong Kong: Carrie Lam recua na  lei da extradição mas protestos continuam agora a pedir ’demissão do executivo pró-chinês’

Os manifestantes que os media internacionais calculam ter atingido perto de dois milhões — próximo do número que os organizadores referem, mas negado pela polícia que baixa esse número para 700-800 mil — marcharam durante longas horas, a partir das 10 horas locais (menos 9H em Cabo Verde). A mobilização continuou até à noite (foto).

Carrie Lam apresentou, neste mesmo domingo, as suas "desculpas" pela forma como o governo conduziu o processo. "A chefe do executivo admite haver lacunas no trabalho do governo" e que provocaram "conflitos e divisões na sociedade hongkonguesa".

O comunicado prossegue com "um pedido de desculpas e a chefe do executivo promete aceitar as críticas dos cidadãos com a maior sinceridade e humildade possível".


Um país, dois
sistemas

Os protestos contra a lei que vai "destruir metade de Hong Kong tal como o concebemos: livre, com um sistema de justiça equitativo e transparente".Fontes:AFP/Le Monde/.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project