MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Hospedeira sérvia única que sobreviveu a queda de 10 000 m 11 Novembro 2018

Vesna Vulovic, de 22 anos, sobreviveu à explosão do avião Belgrado-Copenhaga, resistiu à queda de 10.160 metros (33.330 pés) sem paraquedas e ainda ao impacto no solo. Entrou assim no Guiness Book dos Records, como o único caso até hoje conhecido de sobrevivência a uma queda de dez mil metros.

Hospedeira sérvia única que sobreviveu a queda de 10 000 m

A única sobrevivente, de entre 28 pessoas a bordo do JAT Airways Flight 367 de 26 de janeiro de 1972, nunca mais se lembrou do que lhe aconteceu entre entrar no avião e acordar meses depois no hospital.

A aeronave McDonnell Douglas DC-9-32 da carreira Estocolmo-Belgrado explodiu quando sobrevoava a então Checoslováquia (atual República Checa) e caiu perto da aldeia checa de Srbská Kamenice.

A hospedeira sobreviveu à explosão do avião Belgrado-Copenhaga, resistiu à queda de 10.160 metros (33.330 pés) sem paraquedas e ainda ao impacto no solo. Entrou assim no Guiness Book dos Records, como o único caso até hoje conhecido de sobrevivência a uma queda de dez mil metros.

Vesna Vulovic, nascida em Belgrado em 2 de janeiro de 1950, foi encontrada com costelas, vértebras, crânio, bacia, membros partidos.

A explicação é que ela teria ficado encolhida na parte da frente do aparelho. Essa posição fez amortecer o impacto do embate do avião ao atingir o solo num dia de muita neve.

A equipa de socorro encontrou 27 mortos – todos os 23 passageiros e quatro dos cinco tripulantes. “Miraculosamente”, Vesna sobrevivera. Esteve 27 dias em coma esta única sobrevivente da explosão e queda do JAT Airways Flight 367 de 26 de janeiro de 1972, e nunca mais se lembrou do que lhe aconteceu depois de entrar no avião.

O facto era tão extraordinário que só foi registado em 1996 no Guiness Book dos Records, reconhecendo-se que ao fim de mais de vinte anos de investigação não existia outra explicação para a proeza.

Atentado levou 40 anos a ser esclarecido, ninguém foi condenado

A investigação inicial tinha apontado que uma bomba colocada no porão causara o acidente. Quem a colocara? Este o busílis da questão, que levou mais de quatro decénios a ser esclarecido.

Primeiro, as autoridades jugoslavas apontaram o dedo aos “terroristas” croatas, do Movimento Nacional Croata que de 1937 a 1991 lutou pela independência da Croácia.

Mas uma nova investigação, em 2009, afirma que foi o exército checo a colocar os explosivos. Fontes: Top News/Youtube/ L’Express/NY Times.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project