POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ilha do Sal: Démis Almeida acusa Governo de incumprimento das promessas relativas à habitação 14 Dezembro 2021

O deputado do PAICV pelo círculo do Sal Démis Almeida acusou hoje o Governo de incumprimento das promessas relativas à habitação na ilha, contestando a presença ainda de barracas cuja meta para a sua erradicação foi calculada para 2020.

Ilha do Sal: Démis Almeida acusa Governo de incumprimento das promessas relativas à habitação

Démis Almeida fez essas declarações durante uma conferência de imprensa desconcentrada, desta feita à entrada do bairro degradado de Alto Santa Cruz. para ali falar e mostrar a situação da habitação na ilha.

“Foi dito em 2016, que seria possível erradicar, acabar com as casas de chapa na ilha do Sal em quatro anos. Portanto, a meta seria em 2020, em que Sal não teria nem uma única casa de chapa e as pessoas estariam todas realojadas em casas sociais ou de interesse social”, recordou.

Segundo Démis Almeida, a “grande verdade” é que até hoje não foi realojada uma “única pessoa” no Sal com recurso à habitação social de responsabilidade do actual Governo, referindo que o que se assistiu há dias foi a entrega de casas a 46 famílias, construídas no âmbito do programa Casa para Todos.

“Casas estas, centenas que estiveram até agora abandonadas, de portas fechadas, vandalizadas por omissão quer do Governo quer da Câmara Municipal do Sal, quando temos milhares de famílias no Sal e no País a viver em situações de uma grande indignidade habitacional”, comentou.

A mesma fonte aproveitou o momento para também denunciar o facto de o IHF estar transformado, conforme disse, numa “empresa privada de venda de casa” como qualquer outra empresa privada, com casas “absolutamente exorbitantes”.

“Que não estão ao alcance da classe média cabo-verdiana, muito menos ao alcance de cabo-verdianos que estão a viver em casas de chapa”, analisou.

“E neste momento o IFH está a pedir ao tribunal para as pessoas que adquiriram as suas casas no âmbito do programa Casa para Todos, não só serem despejadas como também vir a pagar indemnizações avultadíssimas ”, denunciou, em tom de desaprovação.

Ao fazer essa observação, Démis Almeida entende que é preciso exigir que o Governo e a Câmara do Sal “cumpram o compromisso” que assumiram com a ilha, no sentido de conseguir resolver o problema de um déficit habitacional que é de, aproximadamente, duas mil casas.

“As casas que foram entregues, há dias no âmbito do programa Casa para Todos não chegam, sequer, a três por cento do déficit habitacional que a ilha tem neste momento. É preciso ter verdadeiras políticas públicas voltadas para a habitação, que neste momento não há”, concretizou.

“Para permitir, através de critérios objectivos e claros, que também não existem neste momento, a entrega das casas, nomeadamente do programa Casa para Todos, e que sejam definitivamente construídas as casas na zona de Chã de Matias para as pessoas serem realojadas como prometido”, sublinhou o deputado.

Démis Almeida concluiu contestando as políticas públicas da habitação social da Câmara do Sal, perguntando em tom de ironia quantas casas já construiu, sejam elas sociais ou de interesses sociais, qual a política fundiária para a habitação destinada aos jovens e jovens famílias.

“Absolutamente nenhuma. Distribuir terreno, e ainda assim sem critérios, apenas dar terreno…não é política social, absolutamente nenhuma”, completou. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project