LEITURA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Ilha do Sal: Obra infanto-juvenil de “Tchinha Padjuda” bem acolhida pelos amantes da literatura 06 Janeiro 2023

A obra infanto-juvenil, intitulada “Milot e os quatro Reinos” de Elsa Figueira, de pseudónimo “Tchinha Padjuda”, cuja apresentação aconteceu nesta quinta-feira, no Sal, a cargo de escritor Evel Rocha, foi bem acolhida pelos amantes da literatura.

Ilha do Sal: Obra infanto-juvenil de “Tchinha Padjuda” bem acolhida pelos amantes da literatura

O acto de apresentação pública desta obra que, conforme o apresentador Evel Rocha, transporta os salenses para a ilha do Sal de outrora, teve lugar no Salão Nobre dos Paços do Concelho, contando com sala cheia de amigos da autora, e amantes da leitura e literatura, de diferentes gerações.

Elsa Figueira, “Tchinha Padjuda”, salense, residente em Portugal, desde os 17 anos, viveu a sua infância e adolescência no Sal, estudou na Universidade de Letras de Lisboa, mas volta sempre para visitar a sua ilha natal, para “matar as saudades” e regressar para Portugal com “muitas histórias” para contar.

O apresentador da obra, para quem a literatura tem um papel “fundamental” na formação dos jovens na idade do ensino básico e secundário, podendo funcionar como um primeiro passo para desenvolver a fruição artística e valores humanos, destacou a capa do livro que fala dos quatro reinos, de uma menina de 12 anos que faz uma viagem ao Sal, sendo a “magia”, a palavra-chave desta narrativa.

“A literatura infanto-juvenil ajuda a criança organizar e reter informações, fazendo com que ela se torne progressivamente mais criativa”, sublinhou Evel Rocha elogiando esta obra literária infanto-juvenil “muito bem concebida”, que cativa, conforme enfatizou, tanto graúdos como miúdos.

“Apesar de ser uma história infantil, a narrativa tem várias mensagens que se podem extrair no livro. Vou falar apenas de duas: uma mensagem de motivação, mostrando que é possível realizarmos os nossos sonhos, e a outra é de inspiração para as crianças, pela sua curiosidade, bravura e imaginação”, enfatizou.

Convidando as pessoas a uma boa leitura, Evel Rocha concluiu dizendo que perpetuar a essência da criança nas pessoas é dar asas aos sonhos, é querer ser um herói guerreiro e vencedor.

Também para o presidente da Câmara do Sal, Júlio Lopes, esta obra dá uma oportunidade dos salenses voltarem ao Sal, para personagens, histórias e factos.

“Esta obra nos leva para o Sal, daquele Sal de que nós não podemos fugir. Todos nós vivemos nessa ilha do Sal, com todas as dificuldades que havia, designadamente o grande problema da água”, ilustrou o autarca, como que revivendo o passado, a sua infância.

E nas suas breves palavras, a autora Elsa Figueira, “Tchinha Padjuda”, explicando a razão do pseudónimo, disse que fazer a apresentação deste seu livro no Sal, é um sonho realizado.

“Eu adorei escrever este livro. E estar aqui no meio dos meus amigos a apresentá-lo… é um sonho e também mágico”, disse, descrevendo como começou a escrever a história, hoje registada em livro.

A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project