REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Insatisfação crescente com as democracias em África é uma "bomba-relógio"- Em Cabo Verde, a satisfação foi expressa por 23% dos inquiridos 29 Outubro 2021

Menos de quatro em cada dez cidadãos africanos estão satisfeitos com o funcionamento da democracia nos seus países, uma média que está a piorar e que marca uma "tendência preocupante", declarou hoje o diretor da rede de sondagens Afrobarometer. Em Cabo Verde, a satisfação foi expressa por 23% dos inquiridos, enquanto em Moçambique, 42% se deram como satisfeitos pela democracia nacional. No topo da lista, os países com maior satisfação foram Tanzânia (80%), Marrocos (70%) e Gana (66%).

Insatisfação crescente com as democracias em África é uma

Joseph Asunka, CEO da Afrobarometer citado pela Lusa, indicou, esta quinta-feira, 28, em Washington, que o nível de satisfação com as democracias africanas tem descido de ano para ano e marca uma "tendência preocupante, que dá a sensação de estarmos sentados numa bomba-relógio".

Segundo o mais recente estudo da Afrobarometer, apresentado em Washington, 34 países africanos têm uma média de apenas 37% cidadãos satisfeitos com a democracia nos seus países.

As conclusões referem-se a um inquérito realizado em 34 países africanos, incluindo os países de língua portuguesa Angola, Cabo Verde e Moçambique, com entre 1.200 a 2.400 participantes em cada país.

Apenas 17% dos participantes em Angola se consideraram satisfeitos com o funcionamento do regime democrático nacional.

Em Cabo Verde, a satisfação foi expressa por 23% dos inquiridos, enquanto em Moçambique, 42% se deram como satisfeitos pela democracia nacional.

No topo da lista, os países com maior satisfação foram Tanzânia (80%), Marrocos (70%) e Gana (66%).

Algumas das razões apontadas para a crescente insatisfação foram o facto de a população do continente ser jovem, deparada com uma "crescente frustração" e situações de desemprego que não estão a ser resolvidas atempadamente pelos governos.

Conforme o meso estudo, a inquérito concluiu também que a população africana apresenta um apoio "muito robusto" à democracia como melhor forma de governação e uma categórica rejeição por governos autoritários.

Segundo o diretor executivo da Afrobarometer, Joseph Asunka, pelo menos sete em cada dez cidadãos africanos prefere a democracia a qualquer outra forma de governação.

"Além do apoio robusto à democracia, os africanos também apoiam consistentemente e em medida crescente as normas democráticas", afirmou o responsável.

As normas democráticas incluem Estado de Direito, cumprimento por parte dos Presidentes de decisões de tribunais ou limites de mandatos presidenciais ou ainda competição multipartidária e realização de eleições.

Com estes dados, a Afrobarometer quer incentivar todos os países a "pensar em formas" de responder às exigências atuais da população com medidas para democracias mais fortes e mais emprego, por exemplo.

A rede da Afrobarometer produz sondagens em 35 países africanos através de parceiros que conduzem os inquéritos na língua nacional e de forma adequada para os costumes de cada país, conclui a sondagem que vimos citando.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project