ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Instituto Cabo-verdiano de Corporate Governance já está criado e vai ser presidido por António Moreira 23 Julho 2022

O Instituto Cabo-verdiano de Corporate Governance foi oficialmente criado esta sexta-feira numa assembleia constitutiva, realizada na cidade da Praia, e que serviu também para aprovar os estatutos e eleger os órgãos sociais para o primeiro mandato.

Instituto Cabo-verdiano de Corporate Governance já está criado e vai ser presidido por António Moreira

A instituição, que é de direito privado, tem por objectivo promover a boa gestão e a boa governança empresarial em Cabo Verde, fortalecendo e dotando os stakeholders das melhores práticas de gestão, contribuindo para a transparência das instituições e para o crescimento económico e desenvolvimento sustentável de Cabo Verde.

Conta com quatro órgãos sociais dos quais três foram eleitos hoje, designadamente a Assembleia-geral, presidida por Simão Monteiro, tendo Yara Alfama no secretariado, o Conselho Geral, integrado por 21 membros e presidido por Jorge Benchimol e o Conselho Fiscal composto por três membros e presidido por Armando Rodrigues.

O quarto órgão é a Direcção, cujos nomes foram indicados pelo Conselho Geral, que propôs para a presidência o actual presidente da Comissão Executiva da Caixa Económica de Cabo Verde, António Moreira, que será coadjuvado por dois vice-presidentes e quatro vogais.

O estatuto ora aprovado prevê que não há cargos remunerados entre os membros dos órgãos sociais, devendo o instituto ser gerido por um secretário executivo, nomeado pela direcção.

A Assembleia Constitutiva contou com a presença do vice-primeiro-ministro, ministro das Finanças, Olavo Correia, que figura entre mais de 60 membros fundadores, e que na sua comunicação considerou o acto de “histórico”.

“É histórico no sentido de termos aqui um grupo e executivos que estão interessados em criar uma instituição não apenas para definir as obras práticas do governo societário, não apenas para promover debates sobre temas relevantes em relação a governação, mas sobretudo para termos aqui um centro de reflexão de excelência”, disse.

Olavo Correia espera que esse instituto seja uma instituição capaz de mostrar o caminho, participar nos debates, de influenciar o processo de decisório a nível das empresas, mas também a nível do país e que seja também capaz de promover a imagem de Cabo Verde, enquanto país bem governado e que está interessado em promover as melhores práticas em matéria de governação.

Neste sentido desafiou os órgãos directivos a focar em duas geografias que considera “relevantes” para posicionar Cabo Verde, quais sejam o grupo Pequeno Estados Insulares em Desenvolvimento e da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Temos especificidades na gestão de instituições, de empresas que podemos partilhar e Cabo Verde pode ser um espaço para a promoção desse debate, sermos uma referência à escala global e a partir de Cabo Verde podermos transportar as melhores práticas que possam advir da gestão dos pequenos Estados insulares”, explicou, propondo a realização de fóruns anuais de executivos das duas regiões.

O instituto, que teve a comissão organizadora integrada por dirigentes e sócios da PWC Cabo Verde, a Caixa Económica de Cabo Verde e dos Aeroportos e Segurança Aérea (ASA), é integrado por pessoas singulares e colectivas de direito público e privado. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project