INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Investigação a viagens de Nikki Haley pedida na véspera da demissão 10 Outubro 2018

A embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley, fez sete voos gratuitos em jatos privados em 2017, a convite de três empresários da Carolina do Sul, facto que levou a organização civil CREW- Cidadãos para a Responsabilização e Ética em Washington a pedir, na segunda-feira, 8, a abertura de uma investigação oficial ao Departamento de Estado.

Investigação a  viagens de Nikki Haley pedida na véspera da demissão

A informação no site da CREW, que monitora a Ética na governação, explicará o inesperado pedido de demissão de Haley na terça-feira, 9.

As viagens entre Nova Iorque, Washington e três cidades na Carolina do Sul, atingiram “dezenas de milhares de dólares”, aponta o site da CREW. Embora Nikki Haley tenha justificado o "caráter de exceção" da oferta dadas as relações pessoais dela e do marido, é necessário que se clarifique se as sete viagens "foram oferta dos três homens de negócios donos dos jatos ou das entidades empresariais que representam". Neste último caso, assinala a CREW, “o caráter de exceção não é aplicável”.

“Os regulamentos federais de ética proíbem os funcionários de solicitar ou aceitar presentes dados por causa da sua posição oficial”, entre outras condicionantes, indica a organização que pede a investigação a Nikki Haley.

“Ao aceitar estes voos privados de luxo como presente, a embaixadora Haley parece estar alinhada com outros funcionários da administração Trump que estão a colher benefícios pessoais com o cargo público”, afirmou o diretor-executivo da CREW, Noah Bookbinder.

Fontes: site referido/www.citizensforethics.org/Relacionado:{ Embaixadora dos Estados Unidos na ONU surpreende com demissão, mas Trump conta com ela}, 10.out.018

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade



Mediateca
Cap-vert

blogs

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project