INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Irão-Mahsa Amini: Na prisão Evin incendiada estão detidos dos protestos que já contam 133 mortos 16 Outubro 2022

É o trigésimo dia dos protestos pela morte, no dia 16-9, de Mahsa (Zhina) Amini de 22 anos e um incêndio deflagra na prisão de Evin onde estão detidos os que manifestam oposição ao regime islâmico.

Irão-Mahsa Amini: Na prisão Evin incendiada estão detidos dos protestos que já contam 133 mortos

Mahsa, 22 anos (foto ao centro). A jovem em passeio com o irmão, na terça-feira 13-9, foi detida pela Polícia Moral de Teerão. O irmão protestou e os polícias da moralidade disseram-lhe que a detenção seria por uma hora. Não foi: depois de entrar no veículo da polícia (autocarro na foto em baixo, à d.ta), a jovem nunca mais foi vista. O pai contou que lhe recusaram a entrada no autocarro e que depois a polícia informou a família que Mahsa tinha tido um ataque cardíaco e estava em coma no hospital Kasra.

Mahsa morreu três dias depois. A família Amini residente no noroeste do Irão — e que nessa semana chegara a Teerão para passear — recusa a causa da morte declarada na certidão de óbito. "Ela era uma jovem saudável, nunca teve problema nenhum, muito menos cardíaco", diz o pai. Acredita que a filha foi espancada pela polícia da moralidade e que disso resultou a sua morte, pois "alguém viu" a jovem a receber "uma pancada na cabeça à entrada do autocarro".

A morte de Mahsa, cujo primeiro nome curdo proibido é Zhina/Jina, indica que a repressão das mulheres conduzida pelo regime iraniano continua e que se intensificou nos últimos meses. A polícia moral pode deter qualquer mulher — basta um fio de cabelo à vista — e fazê-la entrar no autocarro da "instrução do código vestimentário", sobre como uma mulher deve tapar a cabeça para não deixar os cabelos à mostra.

Gás lacrimogéneo no funeral de Mahsa Amini

O funeral no dia seguinte, sábado 17-9, teve larga participação de mulheres da cidade curda, que em protesto tiraram o hijab, cortaram mechas de cabelo.

Os vídeos a circular na internet, e cuja factualidade a BBC confirma, mostram que durante o enterro em Saqez, província do Curdistão, terra natal de Mahsa Amini, ocorreram atos de protesto a envolver milhares de pessoas, Veem-se mulheres a tirar o hijab, a cortar mechas de cabelo entre gritos de "Morte aos ditadores".

Veem-se confrontos com a polícia que não só recorreu ao gás lacrimogéneo, mas segundo a BBC chegou a disparar contra os manifestantes durante o funeral.

Protestos: alastraram-se do Irão ao estrangeiro

Vídeos a circular na webesfera desde sábado 17-9 puseram o hijab no centro dos noticiários mundiais e desencadearam protestos perante a morte da mais recente vítima patente da misoginia do regime iraniano — Mahsa Amini submetida a uma indesejada "instrução sobre o uso do lenço islâmico" que lhe tirou a vida na sexta-feira, 16.

...

Fontes: BBC /DW.de/Euronews/Al-Jazeera/... Relacionado: Presidente do Irão cancela entrevista com jornalista que recusa usar hijab em NY— Múltiplas mortes no país revoltado com morte de Mahsa, 23.set.022; Alemanha: Impedem de votar eleitora com lenço islâmico ’hijab’, 28.set.021; França 2022: Le Pen a crescer propõe combater ’islão radical’ — "Vamos proibir o ’hijab’ em todo o espaço público", 08.fev.021; Casal iraniano condenado a 16 anos de prisão — Crimes: ele é feminista, ela está no Instagram sem véu, 22.mai.021. Fotos: Este domingo, 16 colunas de fumo saem da prisão Evin, na capital iraniana. Presidente Ebahim Raisi, jornalista Christiane Amanpour. Protestos pela morte da jovem Mahsa Amini começaram durante o funeral na terra-natal no sábado, 17-9, alastraram-se por várias cidades iranianas, no 6º dia já se registavam pelo menos dezassete mortes, um mês depois contam-se pelo menos 133 mortes e centenas de detidos.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project