INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Irão acusa Israel de assassínio de cientista nuclear — Rouhani vê manobra para "impedir ação de Biden em prol da paz" 30 Novembro 2020

O cientista Mohsen Fakhrizadeh Mahabadi, tido como um dos cérebros do programa nuclear iraniano, morreu na sexta-feira, 27, no que as autoridades de Teerão classificam de um "ataque com arma telecomandada" e que envolve "o Estado de Israel e um grupo de opositores iranianos no exílio". Israel ainda não reagiu.

Irão acusa Israel de assassínio de cientista nuclear — Rouhani vê manobra para

O chefe da segurança nacional, o vice-almirante Ali Shamkhani, em discurso proferido durante a cerimónia fúnebre, afirmou que os serviços de inteligência iranianos estavam informados sobre onde ocorreria o atentado — mas que falharam em determinar o "quando" — e que os atiradores "usaram equipamento eletrónico por controlo remoto" para assassinar Fakhrizadeh Mahabadi, brigadeiro-general do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica.

Shamkhani disse estar certo de que os perpetradores do assassínio foram o MKO-Mojahedin-e Khalq, "grupo de opositores iranianos no exílio, e "o regime Zionista e a Mossad", em referência a Israel e à sua agência central de espionagem.

No entanto, nessa cerimónia no sábado, 28, realizada no santuário dedicado ao aiatola Khomeini, e em que participaram o ministro da Informação para a Segurança, Mahmoud Alavi, o comandante das Guardas Revolucionárias, general Hossein Salami, e o chefe do programa nuclear, Ali Akbar Salehia, o general Shamkhani não avançou com mais explicações.

As primeiras declarações do ministro da Defesa, na véspera, indicavam que Fakhrizadeh — que Israel tinha recentemente acusado de estar envolvido "no desenvolvimento secreto de uma arma nuclear" — foi abatido com tiros disparados por "vários atiradores que alvejaram o seu carro" na estrada para Teerão (foto). Morreram também quatro dos guarda-costas que tinham sido recentemente indicados para acompanhar o cientista nuclear.

PR iraniano acusa os que querem "impedir ação de Biden em prol da paz"

"Os inimigos do Irão", entenda-se a administração Trump, Israel e Arábia Saudita, estão a viver em extrema ansiedade", disse o presidente Rouhani em referência ao resultado da eleição presidencial americana.

"Eles já perceberam que a situação geoestratégica mudou e tentam, no tempo que ainda têm, criar condições para desestabilizar o Médio Oriente", acrescentou Rouhani.


Biden pelo acordo sobre o programa nuclear iraniano

A campanha eleitoral do democrata Biden deixou claro que irá repor o programa negociado em 2015 durante o mandato de Obama e que Trump rompeu em 2018.

Segundo a BBC, quer o Estado de Israel quer a Arábia Saudita estão "preocupados com a mudança anunciada na política para o Médio Oriente e as consequências que terá para ambos os países" assim que Joe Biden assuma a presidência.

Fontes: BBC/Washington Post/NY Times/.Fotos Reuters.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project