INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Irão e direitos humanos: Assinou tratado internacional mas executou detido aos 17 anos por homicídio 26 Novembro 2021

O iraniano Arman Abdolali foi executado por enforcamento na manhã de segunda-feira 22, oito anos depois de acusado aos dezassete anos do assassínio da sua ’prometida’, de dezanove anos (fotos). Os seus defensores alegam que Arman foi submetido a um julgamento "tão injusto", "com torturas", que levaram o então menor a confessar "tudo aquilo que os seus torturadores quiseram".

Irão e direitos humanos: Assinou tratado internacional mas executou detido aos 17 anos por homicídio

A condenação de Arman Abdolali — segundo a lei islâmica da ’qisas’ (prestação de contas, retaliação), em que a família da vítima decide a sorte do acusado — teve como base "confissões obtidas sob tortura", voltou a alegar a Amnistia Internacional em 11 de outubro para exortar o Irão a não levar adiante a execução.

Um mês depois, a execução de Arman Abdolali, aos 25 anos, ocorreu durante a madrugada na prisão de Rajai Shahr, perto de Teerão, informou o portal oficial da autoridade judicial iraniana, Mizan.

Entre as incongruências do caso, aponta-se o facto de que o acusado — perante a mãe da vítima que, para o perdoar segundo a ’qisas’, pediu dados de localização para poder dar um enterro à filha — foi incapaz de dizer onde estava o corpo. Arman declarou que tinha escondido o cadáver num contentor de lixo, mas o corpo nunca foi encontrado.

"Este jovem não era um criminoso. As duas famílias conheciam-se, a vítima e o acusado pretendiam casar-se", afirmou uma fonte da Amnistia. Segundo o tribunal, o motivo do crime esteve ligado a uma discussão provocada pela "vítima que disse a Arman" que queria abandonar o Irão.

Um segundo julgamento, realizado devido à permanente pressão "ocidental", terminou por responsabilizar o adolescente pelo crime apesar da "ausência de provas".

Tratado Internacional de Direitos Civis e Políticos. Assinado em 2011 por 174 países, incluindo o Irão, estabelece que "a pena de morte nunca será aplicada aos menores de 18 anos", ou seja, a menores no momento do crime.
— -
Fontes: IA.org/Death Penalty Info.org/ . Fotos: Arman Abdolali sob tortura confessou ter assassinado Ghazaleh Shakur em 2013. Ele tinha 17 anos, ela 19 "e pretendiam casar-se".

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project