ESCREVA-NOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

José Maria Neves desmonta discurso de supostos elefantes brancos 11 Abril 2019

O Ex-Primeiro-minsitro José Maria Neves rebateu, num post que colocou na sua página de facebook, a afirmação da ministra Eunice Silva, feita esta quarta-feira no parlamento, de que obras herdadas do governo do PAICV são elefantes brancos. «Não se pode, responsavelmente, dizer que essas infraestruturas são elefantes brancos. São, isso sim, importantes ativos para o país. Se, hoje, o turismo já é motor do crescimento, se a telemedicina já é um extraordinário ganho, se já é possível construir estradas de penetração, aliás já iniciadas na legislatura anterior (Rincão, Engenhos, Figueira das Naus, Figueira Muita, Ribeira da Torre, Flamengos, Alto Mira, Saltos ...) e requalificar as cidades, é porque as infraestruturas essenciais e as instituições de suporte foram construídas e criadas», replicou JMN. Confira, a seguir, o post referido na íntegra.

José Maria Neves desmonta discurso de supostos elefantes brancos

ELEFANTES BRANCOS:

Tive a ventura de chefiar o Governo de Cabo Verde durante os primeiros 15 anos deste Século XXI. Definimos e iniciamos a execução de uma ambiciosa agenda de transformação do país num centro internacional de prestação de serviços. Iniciamos porque transformar social, política e economicamente um país é trabalho de gerações e assim deve ser assumido por todos, desde logo pelos governos da República.

A transformação exigiria infra-estruturas modernas, recursos humanos capacitados e instituições económicas e políticas inclusivas. Em todos os domínios agimos proativamente e os ganhos são evidentes: Cabo Verde cumpriu, no essencial, todos os objetivos de desenvolvimento do milénio, o que nos permite falar, agora, de desenvolvimento sustentável, resistiu à maior crise económica e financeira mundial dos últimos 75 anos, que começou em 2008, e graças às profundas reformas estruturais então efetivadas, já em finais de 2015, dá-se a retoma do crescimento económico; houve a redução da pobreza, das desigualdades e das dissimetrias regionais e a melhoria substancial da qualidade de vida das pessoas.

No que se refere às infra-estruturas, implementou-se a mais audaciosa agenda de infra-estruturação social e económica - água (perfurações, dessalinização, recolha e tratamento de águas residuais, barragens superficiais e subterrâneas, diques de captação, novas tecnologias de irrigação), saneamento, habitação (Casa para Todos), escolas, liceus, centros de formação profissional, hospitais, centros de saúde, estradas, portos, aeroportos, energias, incluindo as renováveis, tecnologias informacionais (NOSI, Casa do Cidadão, SIGOF, telemedicina, Parque Tecnológico).

Nem todas as infra-estruturas são perfeitas, há erros técnicos e ineficiências em algumas delas, que devem ser corrigidos, mas têm sido fundamentais para alavancar a dinâmica de crescimento económico e social do país, e instituições internacionais insuspeitas são unânimes em reconhecer esse facto.

Não se pode, responsavelmente, dizer que essas infraestruturas são elefantes brancos. São, isso sim, importantes ativos para o país.

Se, hoje, o turismo já é motor do crescimento, se a telemedicina já é um extraordinário ganho, se já é possível construir estradas de penetração, aliás já iniciadas na legislatura anterior (Rincão, Engenhos, Figueira das Naus, Figueira Muita, Ribeira da Torre, Flamengos, Alto Mira, Saltos ...) e requalificar as cidades, é porque as infraestruturas essenciais e as instituições de suporte foram construídas e criadas.

Não é possível começar a casa pelo tecto. Se o Governo desta legislatura está a cobrir a casa e a fazer os acabamentos - os governos existem para resolver os problemas e servir as pessoas - não pode desdenhar dos alicerces e pilares anteriormente construídos.

Tempo, pois, de elevar o debate político, o país não começou em Abril de 2016.

Se Cabo Verde é, hoje, uma experiência de sucesso devemo-lo, sem sombra de dúvidas, ao trabalho árduo dos sucessivos governos e dos cabo-verdianos, nas ilhas e na diáspora. Disse.

José Maria Neves (Ex-PM de Cabo Verde)

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project