MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Laura entra em casa para contar que recebeu $4 M, e acha carta do marido a despedir-se 14 Agosto 2020

"A gota de água foi que o teu patrão telefonou a dizer que te despediste", terminou ele a lista de agravos contra a esposa. Como é que ele só exprimia isso agora — ao fim de sete anos?

Laura entra em casa para contar que recebeu $4 M, e acha carta do marido a despedir-se

A carta trazia, além da pungente revelação, um inventário de erros dela na perspetiva dele. E acabou por fazer Laura entender porque é que de há algum tempo a esta parte, quando ia ter com Jack ao trabalho notava uma atitude estranha dos colegas dele.

"Eles sabiam! E sabiam que a outra era a minha irmã!".

Sete anos de casamento. E, de súbito, a carta em que Jack dizia que a tinha deixado e se mudava para a Virgínia Ocidental para recomeçar.

"Fiz-te ontem um jantar especial e tu nem o provaste, disseste que ias dormir".
"Comprei uma camisa nova e nem me fizeste um elogio ", escreveu Jack. Estas, entre muitas queixas sobre a indiferença de Laura.

Havia, por exemplo, a história do último corte de cabelos que ela nem sequer notara.

E Jack, que tudo quis conciliar na traição e atenção — ciente de que estava cheio de razão ao acumular a traição ativa (dele agente) com a atenção passiva (dele paciente) — encerrou a carta com: "Teu ex-marido".

Carta basta para não ter de partilhar fortuna

Laura derramou lágrimas pela dupla traição, enquanto concluía que o pai e a mãe, que se opuseram desde o início ao namoro com o colega da universidade que acabou por não se formar, afinal têm sempre razão.

Bem que os pais a tinham advertido de que ela, aluna e profissional de sucesso, era "de mais para Jack". O que diriam à filha mais nova agora?

Laura acabou por consolar-se com a ideia de que ’perdera ao amor, ganhara ao jogo’. E para garantir que não teria de partilhar a riqueza com o marido traidor, levou a carta a um consultor legal.

O advogado disse-lhe o que ela agora mais queria ouvir : nenhum dos dois traidores ia ver um centavo. O teor da carta era suficiente para provar que o casamento acabara antes dela receber os 37,50 por cento da taluda de 40 milhões (62,50% vão para o Tesouro dos Estados Unidos).

Nota final: Uma coluna de insólitos pode suscitar da parte do leitor a dúvida sobre a verdade jornalística contida no relato. O colunista tem de ter a certeza de que o narrado corresponde a um contexto factual para o estampar na página. Como neste caso, em que a factualidade do relatado é sustentada pelas fotos e os endereços web (https://www.youtube.com/watch?v=dRXhZHx1dKA).

Outra razão para o trazer aqui: a certeza de que o relatado entra no domínio do intemporal e do universal pelas duas lições de moralidade nela contidas. Uma: Quem tudo quer tudo perde. Outra: Quem perde ao jogo, pode ganhar ao amor (ou: viceversa).

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project