LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Lisboa interface da Lusofonia no pós- 19 Junho 2019

Os dicionários gerais e especializados definem interface, ‘lato sensu’, como o conjunto de meios físicos ou lógicos que fazem a adaptação entre sistemas, da qual resulta um produto final com caraterísticas dos sistemas adaptados. O título supra adverbializa o substantivo, tal como o faria, por exemplo, ’chave’.

Lisboa interface da Lusofonia no pós-

No início dos anos de 1980, já primavera, a autora de ‘Croniquetas verde-rubras’ — um livro de duzentas e tal páginas que interpretava a situação de ‘retornada’ da Berta, de meia-idade, nascida em Portugal mas que vivera a maior parte da vida adulta em Lourenço Marques – desabafava: “Tanto que eles queriam ver-nos pelas costas e agora não largam Lisboa!”

Olhou-me e pediu desculpa, mas eu nos meus verdes anos não percebi o fundamento. Pressenti, isso sim, o desabafo duma pessoa com quem me dava bem e em quem nunca vislumbrei resquícios do racismo que outros, presentes e ’metropolitanos’ de origem, diriam ter visto mas sem reação.

Para mim, era compreensível esse “Tanto que eles queriam ver-nos pelas costas e agora não largam Lisboa!”, à luz do contexto que uma figura da minha infância e adolescência resumia assim: “É só ‘eu tinha’ a sair da boca” dos que desembarcaram (foto, à direita) nos aeroportos e portos, de Lisboa sobretudo, nesse 1975 pós-25 A.

A outra face da euforia revolucionária.

Esta imagem vem-me à memória ao ler que o Zap, canal angolano que o Cabo Verde assinante já vê há anos, finalmente chegou a Lisboa e disse ‘Somos ZAP VIVA’.

A festa de lançamento na segunda-feira, 17 — com "cerca de 250 convidados" e atuações de Anselmo Ralph, Yola Semedo (foto, à esquerda), entre outros — faz headlines da comunicação social desta terça-feira.

No ano dos 44 anos das independências, a antiga metrópole estende a passadeira vermelha ao canal angolano que passou a fazer parte da oferta da NOS (esta também participada da família do ex-presidente J.E. dos Santos) em Portugal.

E a Terra à roda do astro, como disse Galileu imortalizado na frase que começa com uma adversativa, Eppur si muove. Ou como diz o Lampedusa — do Tomasi, não a ilha na rota dos exílios ditados pela economia global —, a revolução ’para que tudo continue na mesma’.

MLL

Os artigos mais recentes

17 Jul. 2019
RADAR
Figa canhota -I
16 Jul. 2019
Publicidade
Nice Kriola

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project