LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Lula da Silva assume governo com mais mulheres, diversidade social e alianças pragmáticas 01 Janeiro 2023

O terceiro mandato do Presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, terá mais mulheres, representantes das diversidades presentes na sociedade e alianças pragmáticas com partidos que já lhe fizeram oposição e aos Governo do Partido dos Trabalhadores (PT).

Lula da Silva assume governo com mais mulheres, diversidade social e alianças pragmáticas

Entre os 37 ministérios que formarão o Executivo do Governo brasileiro estão 11 mulheres, recorde face aos outros governos depois da redemocratização do país ocorrida em 1985, quatro delas negras: Anielle Franco na pasta da Igualdade Racial, Luciana Santos na Ciência, Tecnologia e Inovação, Marina Silva no Meio Ambiente e Margareth Menezes na Cultura.

Também foi nomeada a indígena Sônia Guajajara que liderará a criação do Ministério dos Povos Indígenas.

A nova ministra do Planeamento, Simone Tebet, que foi adversária de Lula da Silva na primeira volta das eleições presidenciais defendendo uma agenda liberal na economia que se choca com as ideias do PT, mas que o apoiou na segunda etapa do sufrágio e acabou escolhida para um ministério importante, sinaliza uma tentativa do futuro governante de construir uma frente mais plural.

A diversidade da sociedade brasileira também está simbolizada na escolha do jurista negro e ícone da luta antirracista Sílvio Almeida para o comando do Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania e de outras personalidades da sociedade civil brasileira como a ex-jogadora de vólei Ana Moser para o Ministério do Desporto e a investigadora Nísia Trindade para o comando do Ministério da Saúde.

No que se refere ao arco de alianças, o Governo Lula da Silva terá 10 ministros do Partido dos Trabalhadores (PT), e outros sete de siglas de esquerda que estiveram consigo desde a primeira volta da eleição: três indicações do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), um do Partido Democrático Trabalhista (PDT), uma do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e uma da sigla ambientalista Rede Sustentabilidade.

No entanto, a próxima governação do líder progressista brasileiro também tem uma face pragmática na medida em que negociou e conseguiu o apoio de três grandes partidos de centro e direita, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB), o União Brasil e o Partido Social Democrático (PSD), que aderiram à base do Governo e indicaram três ministros cada para atuar no Executivo.

Neste apoio pragmático há indicação de nomes como o de Juscelino Filho do União Brasil que comandará o Ministério das Comunicações e André de Paula do PSD, que comandará a pasta da pesca.

Ambos votaram pela destituição da ex-presidente Dilma Rousseff, do PT, quando ocupavam cargo legislativo na Câmara dos Deputados, em 2016.Eleito Presidente na segunda volta de um sufrágio cujo resultado pareceu incerto até o fim da contagem de votos em razão da grande popularidade do ex-presidente Jair Bolsonaro que tentou a reeleição, Lula da Silva tornou-se o primeiro chefe de Estado a ter três mandatos na história recente do Brasil.

Aos 77 anos, nasceu numa zona pobre de Pernambuco, na região nordeste, de onde emigrou, aos sete anos fugindo da fome com seis irmãos e a mãe, para o estado de São Paulo.

Lula da Silva conseguiu o seu primeiro emprego aos 12 anos de idade. Aos 19 anos, empregado numa metalúrgica, teve o dedo mínimo da mão esquerda decepado num acidente de trabalho.

A sua entrada no movimento sindical, que o catapultou para o mundo da política, aconteceu em 1969, quando Lula da Silva concorreu ao primeiro cargo no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo, na região metropolitana de São Paulo.

Foi eleito presidente da mesma entidade em 1975, onde se tornou conhecido dos brasileiros ao liderar as primeiras greves de trabalhadores contra o regime militar (1964-1985), tendo chegado a ser preso.

Em fevereiro de 1980, participou com outros sindicalistas, intelectuais, políticos e representantes de movimentos sociais, da fundação do Partido dos Trabalhadores (PT) antes de fazer, dois anos depois, sua estreia eleitoral ao candidatar-se para o comando do governo do estado de São Paulo, disputa que terminou em quarto lugar.

Em 1986, Lula da Silva foi eleito para a Assembleia Constituinte como deputado federal mais votado do país, com 650,1 mil votos.

Na primeira eleição direta para Presidente, realizada em 1989, lançou-se candidato ao cargo máximo do Executivo numa disputa dura na qual foi derrotado pelo ex-presidente Fernando Collor de Mello na segunda volta.

Em 1994 e 1998 disputou novamente a Presidência brasileira, mas acabou derrotado duas vezes pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

A derrota em três eleições presidenciais seguidas levou o maior líder da esquerda brasileira a mudar a estratégia para sua quarta disputa, abandonando teses radicais e ampliando apoios políticos para outros segmentos.

Com um slogan "paz e amor", Lula da Silva passou a campanha evitando grandes polémicas e sinalizando para o mercado que respeitaria os contratos e acordos, venceu as presidenciais pela primeira vez em 2022 e levou o Partido dos Trabalhadores (PT) ao poder no Brasil.

Depois de dois mandatos que concluiu com sucesso, Lula da Silva deixou a governação do país sul-americano com 87% de aprovação e por algum tempo pareceu que nada poderia apagar o brilho da maior estrela PT.

A partir de 2014, porém, um novo calvário se apresentou na trajetória política. Acusado de corrupção pela Operação Lava Jato, uma força-tarefa que investigou desvios na Petrobras e noutros órgãos públicos do país, foi parar na prisão em 2018 condenado por alegadamente ter recebido como suborno um apartamento de luxo na cidade brasileira do Guarujá.

Declarando-se sempre inocente, o líder ‘petista’ cumpriu 580 dias de prisão e foi condenado em outro processo até ser solto em 2020 após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que vetou cumprimento de pena para pessoas condenadas em segunda instância e pode recorrer das penas impostas contra si em liberdade.

Em 2021 uma reviravolta mudou o caminho de Lula da Silva quando o STF anulou os processos que o levaram a prisão em razão de vários erros e irregularidades processuais, restabelecendo a sua liberdade plena e seus direitos políticos.

Livre para lutar pelo protagonismo na política brasileira, Lula da Silva candidatou-se à Presidência do Brasil liderando uma frente ampla que fosse além do PT e dos partidos de esquerda, convidou o ex-governador e antigo adversário político Geraldo Alckmin para vice na sua candidatura.

Numa campanha dura em que enfrentou o uso de dinheiro público por parte de Bolsonaro e seus aliados, notícias falsas, ataques e críticas, sagrou-se vencedor defendendo basicamente seu legado passado e sinalizando a sua massa de leitores, na maioria pobres, que trabalhará para acabar com a fome e pacificar o país convulsionado pela divisão política e para recuperar a imagem do Brasil no mundo.

A promessa de governar para os pobres foi repetida em todos os discursos proferidos por Lula da Silva depois do sufrágio e agora, com a posse, mais de 200 milhões de brasileiros saberão se ele cumprirá ou não sua palavra ao retornar ao posto mais alto da República brasileira. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project