MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Mãe dá água ao filho, acabada de servir no ATM-Caixa 24 em Delhi, Índia 24 Abril 2019

A água potável acessível tornou-se um bem escasso, de difícil acesso à maior parte da população mundial. Numa das cidades mais crueis para os pobres, Delhi, Índia, um bairro erguido junto da lixeira de Bhalswa – porque é daí que os migrantes vindos da província deprimida de Bengala tiram o seu sustento — entrou nos noticiários poque as famílias que aí vivem passaram a dispor de água potável, adquirida num terminal ATM-Caixa 24.

Mãe dá água ao filho, acabada de servir no ATM-Caixa 24 em Delhi, Índia

A capital da União Indiana é também tristemente célebre pelas suas três lixeiras municipais, onde as famílias pobres vão catar o seu sustento. O desperdício dos mais afortunados torna-se a fortuna dos mais desafortunados.

Muitas vezes há tragédias a acontecer em Ghazipur, Okhla e Bhalswa – aterros sanitários se chamam. Mas o Hindustani Times conta que deviam ter sido desativados, em um dos casos, o do Ghazipur, há mais de dez anos, porque deixaram de ser ‘sanitários’ e transformaram-se em montanhas de lixo que ultrapassam os trinta metros de altura.

Os aterros agora são montanhas. E continuam a crescer porque todos os dias aí são despejados milhares de toneladas de lixo, que inclui muitos desperdícios – e que são fortunas para os pobres.

Esta semana Bhalswa – um dos três aterros sanitários de Delhi — entrou nos noticiários porque as famílias que aí vivem passaram a dispor de água potável, adquirida num terminal ATM-Caixa 24, conta o Times of India.

O bairro de Bhalswa foi erguido com desperdícios e tijolos por famílias vindas da Bengala Ocidental. Vieram de longe, mais de 1200 km em busca duma vida melhor. Parece que a encontraram aqui nos aterros sanitários de Delhi.

Em média uma família faz por dia umas duzentas e cinquenta rupias (c.400$). Uma quantia que se reduz para metade porque têm de comprar a água para beber.

"Temos aqui um grande problema com a água. A água aqui chega suja", relatou uma das catadeiras à reportagem do Times of India. Agora contra umas rupias podem levar o seu copo e servir-se no ’ATM de água’ próximo.

O negócio ’ATM de água’ está a crescer na Índia. A página online duma das empresas descreve os serviços de água ’fresca, segura e barata’ que pode prestar em situações que vão desde o quotidiano das cidades às catástrofes. Para satisfazer a necessidade humana mais premente, a sede.

Fontes: referidas / https://www.dw.com/en/indias-water-woes-could-special-atms-solve-the-lack-of-clean-drinking-water/a-48064176a/ Foto: Mãe moradora na lixeira de Delhi dá ao filho a água ’fresca, segura e barata’ que comprou na ATM do bairro improvisado. LS

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project