POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Maio: Câmara já dispõe do seu Plano Estratégico Municipal para Desenvolvimento Sustentável 29 Dezembro 2020

A Câmara Municipal do Maio já dispõe do seu Plano Estratégico Municipal para Desenvolvimento Sustentável, após ter apresentado o documento à Assembleia Municipal, que o aprovou com votos favoráveis da bancada do MpD e contra do PAICV (oposição).

Maio: Câmara já dispõe do seu Plano Estratégico Municipal para Desenvolvimento Sustentável

De acordo com a Inforpress, Miguel Rosa justificou a aprovação do referido documento como carácter de “urgência”, tendo em conta que o mesmo deve ser apresentado aos parceiros como o Programa das Nações Unidas para Desenvolvimento e a União Europeia, com alguma antecedência, para o seu financiamento, algo que na sua opinião vai ser “muito útil” para a ilha, visto que abrange vários sectores.

Conforme avançou, este projecto contém uma metodologia e um guião que leva em conta os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável e do PED’s, e que o mesmo foi preparado durante dois anos para ser implementado no horizonte 20/30, pelo que a ilha só terá a ganhar, razão pela qual pediu uma apreciação positiva dos deputados.

Assim sendo, a bancada da situação sustentada pelo MpD votou a favor deste documento e o líder da bancada Fernando Jorge da Graça, justificou que devido à importância do mesmo para a ilha e, tendo em conta o tempo, não poderiam deixar de dar um aval positivo.

Por seu lado, o líder da bancada municipal do PAICV (oposição), José Augusto Fortes, sustentou o voto contra, alegando que os documentos foram entregues “tardiamente”, pelo que não tiveram a possibilidade de analisarem o referido documento.

Quanto ao voto contra sobre a profissionalização de todos os vereadores, aquele representante disse que a edilidade poderia dar um sinal de contenção de recursos, tendo em conta o momento que o país e o mundo enfrentam neste momento, pelo que propuseram a profissionalização somente de dois membros do executivo camarário a tempo inteiro e os restantes a meio tempo.

Esta proposta não foi aceite pela situação, justificando através do líder que os próximos tempos que a ilha vai enfrentar em que se prevê mais dinâmica social e económica vai necessitar do engajamento de todos para dar a vazão às demandas locais que vão surgindo.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project