SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

ICCA alerta: Mais de 80 crianças foram vítimas de abuso sexual neste ano em Cabo Verde 12 Agosto 2020

A delegação do Institiuto Cabo-verdiano da Criança e do Adolescente (ICCA) no Sal aununcia que a instituição já recebeu 86 denúncias de abuso sexual contra crianças e adolescentes a nível Nacional e 3 na ilha, sendo que a maioria dos casos vinha acontecendo há já muito tempo. Para a mesma fonte, o abuso sexual contra crianças e adolescentes é um dos crimes que mais viola os direitos desses menores, e que mais provocam danos “irreversíveis" para toda a vida dos mesmos.

ICCA alerta: Mais de 80 crianças foram vítimas de abuso sexual neste ano em Cabo Verde

Com o fechamento das escolas, devido à situação provocada pela pandemia do covid-19, as crianças e adolescentes podem estar a conviver diariamente, de forma mais direta, com o seu agressor. "Por isso, é preciso que os pais e encarregados de educação estejam atentos a este tipo crime", alerta Arminda Lopes.

A maioria dos crimes de abusos sexuais é praticada por algum membro da família, disse aquela técnica da delegação do Instituto da Criança e do Adolescente, no Sal.

“ Os agressores são, na sua maioria, familiares próximos da vítima, como pai, tio, padrasto, entre outros. São pessoas próximas da vida dos violados. Isto porque um crime de abuso sexual muitas vezes não acontece no contexto de violência, mas sim o violador vai preparando a criança e só depois quando ganhar a confiança ele pratica o ato. É triste e lamentável”, salientou.

Em declarações à Asemana, Arminda Lopes avançou que desde o início do ano até o presente mês, o ICCA já recebeu 86 denúncias de abuso sexual contra crianças e adolescentes a nível Nacional e 3 na ilha do Sal, sendo que a maioria dos casos vinha a acontecer desde há já tempo.

“O abuso sexual é a pior forma de violação dos direitos das crianças. As crianças são para ser amadas e não violentadas. A maioria das denúncias feita inclui casos que já vinham a acontecer", enfatizou.

Acredita ainda que pode haver mais casos que não foram denunciados, porém, acrescentou que o ICCA está a trabalhar em ações de formação para que haja mais denúncias.

“Acreditamos que pode haver mais casos, porque as pessoas podem ter o receio em fazer a denúncia, visto que é uma situação dolorosa não só para a criança como também para a família, mas a família deve pensar que a criança é um ser inocente e ela precisa de conforto e apoio”, acrescentou.

Arminda Lopes entende, por isso, que a esses agressores deveriam ser aplicados penas mais "severas".

“A punição deve ser severa e a pena deve ser revista. Uma criança ao ser abusada sexualmente corre sérios riscos de tornar um violador quando adulto e nós não queremos isso. Por isso, é importante apostar na prevenção”, explicou.

Vale lembrar que a violência sexual pode acontecer com e sem contacto físico por isso muitas vezes, acaba sendo silenciosa. Foto: Arquivo

Luciana da Cruz

(Jornalista estagiária no Sal)

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project