SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Marcha do Orgulho LBGT+ leva centenas às ruas da cidade da Praia contra a discriminação 25 Junho 2022

Cerca de uma centena de pessoas caminharam hoje, desde a rotunda de Fazenda, em direcção ao centro da cidade da Praia, numa marcha do Orgulho LGBTI+ 2022, contra a discriminação.

Marcha do Orgulho LBGT+ leva centenas às ruas da cidade da Praia contra a discriminação

O evento da capital visava ainda homenagear a artista G-cross, encontrada morta na praia da Gamboa.

A marcha do Orgulho LGBTI+ 2022, que aconteceu sob o lema “Abrace a Diversidade com Educação e Respeito” levou às ruas da capital do país cores do arco-íris e contou com a participação da presidente do Instituto Cabo-verdiano para a Igualdade e Equidade de Género (ICIEG), Marisa Carvalho, e da Comissão Nacional para os Direitos Humanos e a Cidadania (CNDHC), Zaida Freitas.

Em declarações à imprensa, a organizadora da marcha e presidente da Associação LGBTI+ da Praia, Sandra Tavares, afirmou que a marcha é importante, pois, o que se quer é que todas as pessoas sejam livres e vivam a sua vida sem qualquer discriminação.

“O objectivo é sensibilizar as pessoas de que todos temos os mesmos direitos e deveres de estar na sociedade, independentemente da orientação sexual ou identidade LGBTI+”, disse, na esperança de tocar a sociedade para uma diversidade efectiva e igualitária para todos.

Sandra Tavares sublinhou ainda que o lema “Abrace a Diversidade com Educação e Respeito” tem como propósito chamar a atenção das pessoas quanto ao desrespeito a que a comunidade LGBTI+ tem sido alvo nas redes sociais em Cabo Verde.

“Se educarmos os nossos filhos a respeitar a cidadania, em diversidade, teremos no futuro crianças e seres humanos que respeitarão todo o tipo de condução sexual”, acrescentou.

Quanto às leis existentes para proteger a comunidade LGBTI+, aquela responsável da associação assegurou que de há cinco anos a esta parte muita coisa mudou, apesar de reconhecer que muita coisa ainda falta por fazer em prol da comunidade.

Em termos de leis, salientou que o Governo deveria apostar “fortemente” num engajamento junto da comunidade para saber qual a principal necessidade e daí iniciar a “mudança que se quer”.

A educação, o emprego e a saúde foram apontados por Sandra Tavares como principais necessidades da comunidade LGBTI+ em Cabo Verde, particularmente, na Praia, onde as pessoas veem com maus olhos a comunidade.

“Se abraçarmos e respeitarmos a comunidade LGBTI+, a população irá começar a ver-nos com outros olhos e o tratamento será outro”, disse, sustentando que o caminho e as exigências a ser percorridos hoje podem não ser os de amanhã.

Questionada sobre a fraca adesão, apesar da comunidade ser numerosa, Sandra Tavares afirmou que ainda muitas pessoas têm vergonha e medo de participar para não serem conotados com a comunidade. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project