LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Marinheiros indianos detidos na Guiné Equatorial pedem ajuda na libertação 15 Novembro 2022

Os 16 marinheiros de um petroleiro indiano que estão detidos na Guiné Equatorial têm-se desdobrado em pedidos de ajuda para serem libertados e mostram um enorme receio de ser entregues às autoridades da Nigéria.

Marinheiros indianos detidos na Guiné Equatorial pedem ajuda na libertação

"Estamos presos no nosso navio na Guiné Equatorial e estamos a ser entregues ilegalmente às autoridades da Nigéria", diz o capitão do navio, Mehta, num vídeo divulgado pelos jornais indianos.

O petroleiro MT Heroic Idun chegou a um porto na Nigéria a 14 de agosto, mas as autoridades portuárias disseram não ter registo da chegada do navio, que é propriedade da norueguesa OS Maritime Group, e estava neste país africano numa rota para recolher petróleo e depois seguir para a Guiné Equatorial, onde iria também recolher petróleo para entregar depois em Roterdão, nos Países Baixos.

No entanto, ao rumarem para a Guiné Equatorial, foram seguidos por uma embarcação nigeriana, que terá alertado as autoridades equatoguineenses, e foram detidos ao chegar ao país lusófono, havendo 15 marinheiros que foram levados para terra e outros 16 que permaneceram no navio.

"As autoridades fizeram uma inspeção ao navio, a todas as partes da embarcação, e não encontraram petróleo nenhum", diz o comandante Mehta num vídeo, no qual afirma que não houve violência das autoridades, simplesmente a obrigação de permanecer no navio desde agosto, e sem condições de segurança sanitária.

O comandante disse estar com malária e afirmou que vários outros elementos da tripulação estão doentes e receosos de serem entregues às autoridades nigerianas, que noutras situações terão abusado de tripulações de navios petrolíferos.

"O navio e os seus 26 tripulantes de várias nacionalidades foram detidos na Guiné Equatorial há mais de 80 dias", disse o diretor executivo da OS Maritime Group, Finn Amund Norbye, criticando: "Foram tratados como criminosos, sem qualquer acusação formal ou processo legal há quase três anos, é nada mais nada menos que uma chocante injustiça marítima".

Os vídeos e telefonemas para a Índia motivaram a intervenção do governo indiano, que diz estar a fazer os possíveis para tentar que os marinheiros regressem a casa.

"O ministro dos Negócios Estrangeiros está a monitorizar a situação regularmente, as famílias não precisam de se preocupar", disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros indiano, V Muraleedharan, acrescentando: "Os nossos esforços estão direcionados para trazer os marinheiros para casa em segurança".

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project