LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique: A estratégia da FRELIMO nas eleições gerais em Moçambique 21 Julho 2019

Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, afirma que o partido no poder terá "compromisso claro e inequívoco" com o combate à corrupção. Comité Central define cabeças-de-lista a candidatos a governadores provinciais.

Moçambique: A estratégia da FRELIMO nas eleições gerais em Moçambique

O Presidente da República de Moçambique e líder da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), Filipe Nyusi, afirmou, segundo a Lusa, este sábado (20.07) que o combate à corrupção e a promoção da ética governativa serão prioridades, caso seja eleito para um novo mandato.

"O povo moçambicano vai assumir o compromisso claro e inequívoco de fazer de Moçambique um país que combate de forma enérgica a corrupção", declarou Nyusi na abertura da sessão extraordinária do Comité Central do partido no poder, na cidade da Matola, província de Maputo, sul de Moçambique.

Campanha da FRELIMO em Inhambane, sul de Moçambique

O Comité Central, no poder há 44 anos em Moçambique, reuniu-se para debater e aprovar o manifesto da campanha eleitoral visando as eleições gerais de 15 de outubro. O documento vai nortear os discursos de campanha e dar corpo aos instrumentos de governação da FRELIMO, em caso de vitória no escrutínio.

Filipe Nyusi, que é candidato a um novo mandato de cinco anos pela FRELIMO, sublinhou igualmente a promoção da ética governativa como prioridade, caso triunfe nas eleições gerais. "A ética governativa e a integridade serão fundamentais para o fortalecimento das instituições do Estado", frisou.

"Os moçambicanos sem distinção da sua origem étnica, cor, tribo, raça género e religião nunca devem ser excluídos, são e serão sempre o ponto de partida e de chegada da nossa ação governativa", acrescentou.

Segundo ainda a Lusa, várias figuras ligadas ao partido no poder em Moçambique encontram-se detidas por alegado envolvimento em casos de corrupção, com realce para o escândalo das chamadas dívidas ocultas.

Candidatos a governador

A sessão da FRELIMO serviu também para que o partido elegesse os cabeças-de-lista a candidatos a governadores das dez províncias moçambicanas, além dos nomes que encabeçam as listas dos candidatos ao Parlamento moçambicano.

Na lista de candidatos a governadores, o destaque vai para Júlio Paruque, atual governador de Cabo Delgado, que nas próximas eleições concorre para o mesmo posto na província de Maputo. Pio Matos, antigo presidente do município de Quelimane, vai concorrer para governador da província da Zambézia.

"Esta é mais uma demonstração de que com inclusão e dando oportunidade a todos, a FRELIMO apura políticas estratégicas com alta qualidade", concluiu o chefe de Estado moçambicano citado pela Lusa.

As eleições gerais vão compreender a presidencial, legislativas e assembleias provinciais, que pela primeira vez vão escolher os governadores das dez províncias do país. Este será o sexto sufrágio na história de Moçambique desde a aprovação da Constituição multipartidária, em 1990.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project