LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique/Ataques: Autoridades detêm pessoas por parecerem muçulmanas – EUA 04 Junho 2022

As autoridades moçambicanas detêm arbitrariamente pessoas por parecerem muçulmanas, no âmbito da luta contra os extremistas islâmicos em Cabo Delgado, alerta o Governo norte-americano, citando organizações no terreno e ’media’.

Moçambique/Ataques: Autoridades detêm pessoas por parecerem muçulmanas – EUA

Numa tentativa de controlar a situação [em Cabo Delgado] e conter a violência, a polícia continuou a prática de deter arbitrariamente alguns indivíduos porque pareciam muçulmanos pela sua roupa ou barba, segundo organizações islâmicas nacionais e outros relatos nos ‘media’”, pode ler-se no relatório anual sobre liberdade religiosa no mundo, divulgado pelo Departamento de Estado.

No relatório relativo a 2021, lançado na quinta-feira, o departamento liderado pelo chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Antony Blinken, denuncia perseguições contra minorias religiosas na China, Afeganistão, Birmânia e Arábia Saudita.

No capítulo dedicado a Moçambique, o Departamento de Estado lembra que os ataques de grupos extremistas, em particular o grupo Estado Islâmico em Moçambique (ISIS-M), continuaram ao longo do ano passado contra forças governamentais e populações na província de Cabo Delgado, no norte do país.

A província de Cabo Delgado é aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Organizações não-governamentais, órgãos de comunicação social e organizações de direitos humanos criticam fortemente a resposta do Governo a este conflito, que consideram exacerbar os ressentimentos existentes entre populações historicamente marginalizadas de maioria islâmica, sublinha o relatório.

Alem disso, alguns responsáveis governamentais, observadores e administradores de campos de deslocados notam que, como os ataques extremistas ocorrem em zonas de maioria muçulmana, muitas das vítimas são muçulmanas.

Apesar de os combatentes do ISIS-M dizerem que atacam sobretudo cristãos e aldeias cristãs, os relatos do terreno contam que na prática eles fazem pouca distinção entre as vítimas, visando tanto comunidades muçulmanas como cristãs.

O relatório recorda que o ISIS-M prometeu publicamente fidelidade ao grupo terrorista Estado Islâmico em junho de 2019 e desde então reivindicou mais de 30 ataques.

Segundo analistas, refere o documento, jovens rapazes que regressam do estrangeiro após estudarem o islão e que seguem uma forma mais austera da religião do que aquela que é praticada em Moçambique contribuem para a radicalização da juventude.

Segundo dados do instituto de estatística moçambicanos, referidos no relatório, 27% dos 30,9 milhões de habitantes do país são católicos, 19% são muçulmanos, 17% evangélicos ou cristãos pentecostais, 16% cristãos sionistas, 2% anglicanos e menos de 5% judeus, hindus e Baha’i.

Os restantes 14% não se identificam com qualquer religião.

Uma percentagem significativa da população adere a crenças indígenas sincréticas, uma categoria não incluída nas estatísticas governamentais, caracterizada por uma combinação de práticas tradicionais africanas e aspetos do cristianismo ou do islamismo.

Devido à fraca fiabilidade dos censos, os líderes muçulmanos alegam que a sua comunidade, concentrada no norte do país, representa 25 a 30% da população moçambicana, sublinha o relatório.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project