LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique/Ataques: No início do mês, maioria queria regressar à origem - OIM 22 Outubro 2022

A maioria dos deslocados em movimento em Cabo Delgado no início deste mês procurava regressar às zonas de origem, de acordo com os dados da Organização Internacional das Migrações (OIM) na província moçambicana afetada por violência armada.

Moçambique/Ataques: No início do mês, maioria queria regressar à origem - OIM

O acompanhamento de deslocados feito pela agência das Nações Unidas entre 05 e 11 de outubro registou 7.960 pessoas em movimento, metade das quais eram crianças.

A intenção de regressar às zonas de origem foi o que motivou 72% das pessoas a fazer-se à estrada naquele período, enquanto 15% fugia de ataques.

Os principais movimentos aconteceram entre os distritos de Macomia e Ancuabe, onde novos ataques têm sido relatados desde junho.

Das 7.960 pessoas em movimento, 4.472 (56%) conseguiu chegar ao destino, nota a OIM.

Ainda segundo a agência, do total de pessoas em movimento no início deste mês, 47% já tinha sido deslocado por duas vezes e 31% já tinha sofrido com a fuga das terras de origem por três vezes.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por uma violência armada, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

A insurgência levou a uma resposta militar desde há um ano com apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), libertando distritos junto aos projetos de gás, mas surgiram novas vagas de violência a sul da região e na vizinha província de Nampula.

Em cinco anos, o conflito já fez um milhão de deslocados, de acordo com o ACNUR, e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project