LUSOFONIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Moçambique - Ataques em Manica: Ajuda humanitária ameaçada? 30 Novembro 2020

Representante das ONG em Manica disse que ataque armado a viatura de organização de ajuda humanitária constitui "ameaça terrível". Embaixada dos EUA manifesta preocupação.

Moçambique - Ataques em Manica: Ajuda humanitária ameaçada?

O ataque armado contra uma viatura pertencente à organização humanitária PEPFAR (Plano de Emergência do Presidente dos EUA para o Alívio do Sida), numa zona de Dombe na passada quarta-feira (25.11), deixou três feridos, revelou DW África.

O representante do Fórum das Organizações Não-Governamentais Internacionais em Manica, Sérgio Pereira, disse que o ataque constitui uma ameaça terrível e sem contemplações para as organizações humanitárias:

"Trata-se de uma ameaça muito grande, na medida em que os homens armados atacam as organizações humanitárias".

"Não estamos a entender porque atacar parceiros do Governo, pois as organizações não levam consigo militares e são devidamente bem identificadas, daí que não há razões para o efeito", defendeu Pereira.

Na sequência do ataque, a Embaixada dos Estados Unidos da América emitiu um comunicado, na sexta-feira (27.11), a expressar "a sua forte preocupação com o manifesto ataque contra um transporte coletivo na província de Manica, que feriu três empregados, um dos quais gravemente, de uma organização que trabalha com a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional".

Negociar e não atacar

Segundo a mesma fonte, a governadora da província de Manica, Francisca Domingos Tomás, lamentou e condenou o ataque, tendo responsabilizado a autoproclamada "Junta Militar" da RENAMO.

"A ’Junta Militar’ da RENAMO continua a atacar e matar população indefesa," disse e acrescentou: "depois de tantos apelos feitos pela comunidade e pelo Presidente da República, a ’Junta Militar’ não está a acatar as mensagens".

"Queremos que a ’Junta Militar’ junte-se a nós, visando desenvolver a província e o país no geral. Mas a ‘Junta Militar’ não tem estado a capitalizar esses apelos", afirmou Francisca Domingos Tomás.

"Repudiamos com veemência as ações macabras dos homens armados da RENAMO. Essas ações estão só a retardar cada vez mais o desenvolvimento do país. A ’Junta Militar’ da RENAMO deve ir à mesa do diálogo para a solução do seu problema ou do que estão a reivindicar" - concluiu a governadora de Manica.

A Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica, prometeu falar sobre o ataque na próxima semana, revelou a DWÁfrica.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project