INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Morreram 45 jornalistas no exercício das suas funções em 2021 31 Dezembro 2021

Um total de 45 jornalistas morreram em 2021, no exercício da sua profissão, sendo o México, o país mais perigoso do mundo para os repórteres, informou esta quinta-feira, 30, em Viena, o Instituto Internacional de Imprensa.

Morreram 45 jornalistas no exercício das suas funções em 2021

Sete jornalistas mexicanos foram assassinados este ano em funções, pelo que o país latino-americano volta a liderar a lista anual de profissionais de imprensa mortos em funções. Seguem-se a Índia e o Afeganistão, com seis jornalistas mortos, o dobro da República Democrática do Congo, com três.

Em 2020, 55 jornalistas morreram em todo o mundo, 11 dos quais no México.
De acordo com o Instituto Internacional Imprensa, uma rede global de proprietários e editores de media, a segurança dos jornalistas continua a ser um desafio à escala global.

Por isso, o Instituto "desafia as autoridades a pôr fim à impunidade para com estes crimes e a garantir a proteção dos jornalistas, que devem ter condições para exercer o seu trabalho de forma livre e segura".

Dos 45 jornalistas mortos, 40 era homens e cinco eram mulheres, detalhou o Instituto. Destes, 28 foram mortos devido ao seu trabalho, três morreram enquanto trabalhavam em zonas de conflito e dois quando cobriam distúrbios no seu próprio país.

Em 11 casos, as causas de morte ainda estão a ser investigadas, enquanto, noutra situação, um jornalista morreu afogado quando acompanhava o resgate de um elefante num rio na Índia. Ainda assim, o número de jornalistas mortos registado este ano pelo Instituto é o menor desde 1997. A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project