POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

MpD fala em “versão janiriana” do PAICV que opta por “uma agenda de casos” e lidera “uma campanha de desesperança” 15 Junho 2019

O MpD disse hoje que se está em presença de uma “versão janiriana” do PAICV que, ao invés de se construir como alternativa de governo, opta por “uma agenda de casos” e lidera “uma campanha de desesperança”.

MpD fala em “versão janiriana” do PAICV que opta por “uma agenda de casos” e lidera “uma campanha de desesperança”

Esta posição foi manifestada pelo deputado do Movimento para a Democracia (MpD – Governo), Emanuel Barbosa, enquanto fazia a declaração política do seu partido na manhã de hoje durante os trabalhos da primeira sessão plenária de Junho.

“Estamos em presença de uma versão janiriana do PAICV que, ao invés de se constituir como alternativa para um projecto de governação, opta por uma agenda de casos e por liderar uma campanha de desesperança, de desconfiança, de suspeições e de descredibilização do Governo e do país, baseada sobretudo em técnicas de desinformação”, afirmou aquele sujeito parlamentar.

O deputado do MpD disse ainda que o seu partido está “atento” e por, isso, alerta os cabo-verdianos para “ondas de fake-news que grassam nas plataformas digitais, sobretudo no facebook, protagonizadas por perfis falsos e outros pertencentes a agitadores partidários devidamente identificados com o propósito de gerar pânico social para tentar descredibilizar as soluções que estão sendo gizadas pelo Governo em matérias diversas”.

“A intensa campanha de desinformação” a que se assiste nas redes sociais contra o Governo, disse, “não é inocente”.

“É intencional e vai-se intensificar com o aproximar das eleições, uma vez que comporta, fundamentalmente, um objectivo político e eleitoralista, que passa por desconstruir os ganhos que no seu conjunto conformam o capital de confiança que está sendo conquistado e consolidado”, completou.

O MpD alertou ainda, segundo Emanuel Barbosa, para aquilo que chamou de “perniciosidade deste fenómeno”, que, conforme defendeu, se baseia na difusão de boatos, em informações erradas e em técnicas de desinformação para induzir em erro ou esconder factos com o objectivo de confundir as pessoas.

“O que está em curso é muito sério e está sendo pensado e executado de forma organizada e com alto grau de profissionalismo, procurando, por esta via, influenciar a decisão do eleitorado nas eleições que se realizarão em 2020 e 2021”, prosseguiu.

Os cabo-verdianos devem, segundo argumentou aquele deputado, estar de sobreaviso para não se deixarem enganar, cerrando fileiras contra o fenómeno da desinformação, defendendo os pilares da democracia, punindo, repudiando e reprovando aqueles que escolhem esta via para estar na política.

Ainda no seu discurso, Emanuel Barbosa, afirmou que as pessoas não se devem deixar enganar sob o risco de se regressar ao passado.

“Isto é, aos erros e às incertezas da governação do PAICV, quando hoje é uma certeza que o país está no rumo certo, não obstante ainda faltar muito por fazer”, acrescentou o deputado completando que “o país hoje é confiável, tem um governo competente, tem um rumo e um futuro certo a conquistar”. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project