FOTO DA SEMANA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Mundo de indiferentes: Fotógrafo René Robert esteve 9 H agonizante por entre multidão de Paris, praça da República 30 Janeiro 2022

Paris-luz de milhões de mãos e nenhuma para erguer na noite de inverno, na praça emblemática, o velho que caiu e esteve nove horas em agonia. Assim morreu no dia 20 o famoso fotógrafo René Robert.

Mundo de indiferentes: Fotógrafo René Robert esteve 9 H agonizante por entre multidão de Paris,  praça da República

O suíço-francês (na foto colorida) começou há mais de 60 anos na fotografia da moda e há meio século deixou-se seduzir pelo ’flamenco’ — vê-se em centenas de fotos, todas a preto-e-branco.

Fascinado pelos movimentos da música e dança flamencas, desde 1966. A arte audiovisual vista no tablado da sala Catalan, onde até se acotovelou com Picasso nos anos de 1960 e 1970.

O suíço introduzido na arte do flamenco por uma amiga não-andaluza mas sueca, como respinga em um dos seus três livros-álbuns dedicados ao flamenco.

Agonizou 9 H ... no meio da multidão

Nem um passante durante essas nove horas, das 21 às seis da manhã, se deteve perante a vista dum homem caído desacordado no piso da praça emblemática que leva o nome da República.

Às seis da manhã, um sem-abrigo vê e chama os bombeiros. Mas no dia seguinte, René Robert morreu aos 85 anos, de hipotermia. Ou, sucumbiu à indiferença coletiva.

Fontes: Le Monde/Le Figaro/Le Parisien. Fotos: Foi por aqui, na place de la République, perto do metro homónimo que caiu sob hipotermia o fotógrafo que retratou 60 anos da vida parisiense, em especial o flamenco (Património Cultural Imaterial da Humanidade, desde 2010). O ano passado René Robert doara os seus milhares de clichés à Biblioteca Nacional.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project