SERÁ NOTÍCIA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Universidade Lusófona de Cabo Verde : Docentes anunciam paralisar aulas por atraso no pagamento de salários 29 Novembro 2020

O ultimato está dado. O núcleo de docentes da Universidade Lusófona de Cabo Verde (ULCV), com polos nas cidades da Praia e do Mindelo, anuncia paralisar as aulas por tempo indeterminado. Em causa está o incumprimento do acordo afirmado no pagamento de salários em atraso, que vem arrastando há já alguns anos.

 Universidade Lusófona de Cabo Verde : Docentes anunciam paralisar aulas por atraso no pagamento de salários

De acordo com um grupo de docentes da ULCV, o incumprimento e atraso no pagamento de salários por parte da Universidade Lusófona de Cabo Verde, (ULCV) é gritante e vem-se arrastando ao longo de vários anos. Por causa disso, anuncia suspender as aulas por tempo indeterminado.

“Este problema tem causado imensos constrangimentos, tanto para os alunos, que veem as suas notas retidas e as aulas suspensas com frequência, como também, para os docentes que já estão desgastados e desmotivados a todos os níveis com esse e outros problemas, com os quais convivem diariamente naquela instituição de ensino superior”, diz o núcleo em comunicado.

Ao asemanaonline, este grupo de docentes garante que foi afirmado um acordo entre a ULCV e os professores, no sentido de liquidar as dívidas de salário que se encontram em atraso.

“Conforme o referido acordo, a cada dia 15, a ULCV deve fazer a transferência da quantia acordada, que depende do montante que tem em dívida com cada docente. Pode-se referir que a instituição em causa conseguiu fazer a transferência da primeira tranche com imensas dificuldades e com significativos atrasos”, adiantam os docentes, acrescentando que a segunda tranche foi efetuada, com quase 10 dias de atraso, mas para apenas um número restrito de docentes, sendo que a maioria, que está em ativo, ficou a “ver navios”.

Perante esta situação, alegadamente discriminatória, este grupo de professores garante que tem enviado várias mensagens para a atual Administradora da ULCV, Lenilda Brito, a pedir esclarecimentos sobre esta alegda injustiça institucional, “mas infelizmente, ela permanece inerte, ignorando todos e quaisquer mensagens que lhe são enviadas neste sentido”, diz em comunicado.

Sentindo-se injustiçados, desrespeitados e vendo os seus direitos violados “descaradamente”, os docentes anunciam que vão suspender novamente as aulas na ULCV, até que a administração se pronuncie sobre toda esta situação e reponha, definitivamente, a justiça, a dignidade da pessoa humana e a igualdade na instituição.

Ainda de acordo com os docentes ouvidos por este primeiro diário cabo-verdiano em linha, neste momento existem vários alunos e pais de famílias com situação de propinas completamente regularizadas na instituição e que precisem urgentemente de certificados para aproveitarem oportunidades únicas para se progredirem no trabalho e prosseguirem os estágios ou os estudos.

Porém, atendendo que as notas estão retidas, alrtem que esses alunos correm sérios riscos de perderem esta oportunidade vital, porque a Universidade não consegue resolver esta questão, sem, contudo, cumprir com o dever que tem mensalmente, com os seus docentes, em especial, com os que ainda estão em ativo na referida instituição.

Ultimato de professores e administração da Universidade

“Por fim, ou a ULCV passa a respeitar as pessoas com as quais trabalha e os acordos afirmados com os seus docentes, ou então, teremos de recorrer a meio judicial para obrigá-la a repor toda a estabilidade que é exigida para o bom funcionamento de uma academia estudantil e profissional”, manifesta um dos responsáveis do Núcleo de docentes da ULCV-Praia.

Entretanto, o Asemanaonline tentou, por várias vezes, falar com a administradora desse estabelecimento de ensino superior, na Praia, para se posicionar em relação ao ultimato dado pelos docentes, mas foi sem sem sucesso. Este jornal soube, no entanto, através de fontes próximas da referida instituição, que o problema de atraso no pagamento dos docentes se deve a um erro ocorrido nos dados bancários. O mesmo informante alega que a transferência bancária já foi feita a uma parte dos professores e que nos próximos dias o problema será, definitivamente, resolvido. Contamos retomar as informações da Reitoria da ULCV, caso esta venha assim entender.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project