REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

OUSMANE SONKO – OPOSITOR JURADO DE PRESIDENTE MACKY SALL QUE INFLAMA SENEGAL 07 Mar�o 2021

Ousmane Sonko, cuja prisão causou a pior agitação que o Senegal conheceu em anos, é um deputado ainda jovem que, sob aparente cortesia, nunca hesita em atacar frontalmente o presidente Macky Sall, a quem ele anuncia abertamente que deseja assumir a sucessão.

OUSMANE SONKO – OPOSITOR JURADO DE PRESIDENTE MACKY SALL QUE INFLAMA SENEGAL

“Se Macky Sall quiser me liquidar, ele terá, pela primeira vez, de concordar em sujar as mãos”, alertou o parlamentar de 46 anos na semana passada, principal oponente do país, embora nunca tenha exercido um cargo governamental. “Podemos perder penas, mas Macky pode perder seu poder” , lançou.

A sua prisão na quarta-feira a caminho do tribunal, onde se dirigia para ser interrogado sob a acusação de estupro de uma funcionária de um salão de beleza, o que ele nega, irritou seus apoiadores, muitas vezes jovens que enfrentam a crise.

Ousmane Sonko, funcionário público por 15 anos, está entre as pessoas comuns. Ele também explica que foi a este salão porque não tinha como pagar os serviços de um fisioterapeuta profissional para aliviar suas dores nas costas.

“Teoricamente, nenhum político do Senegal deveria ser muito, muito rico, já que sabemos de onde vem a riqueza muitas vezes dos políticos na África. É uma riqueza que vem do desvio de fundos públicos”, denunciou -o em 2018 na TV5-Monde.

A sua prisão foi seguida por confrontos em todo o país, saques e saques de empresas, principalmente marcas francesas como Auchan e Total. A mídia supostamente próxima do poder também foi atacada e um jovem foi morto durante uma manifestação em Casamance, reduto de Ousmane Sonko, no sul do país.

SEM COMPLEXO DE FRANÇA

Ousmane Sonko, apareceu no cenário político ao criar em 2014 seu próprio partido, o Pastef-Les Patriotes, que ficou conhecido dois anos depois ao ser destituído do cargo do Inspetor fiscal após denunciar a opacidade de certos contratos públicos e os privilégios indevidos segundo ele da classe política.

Eleito deputado em 2017, ele se sente à vontade na televisão e sorri nos encontros com ativistas. Com sentenças muitas vezes contundentes, ele questiona o relato oficial do Senegal “a caminho da emergência”, mantra do presidente Macky Sall.
Muitas vezes acerta ao denunciar a dívida do Estado, a pobreza, a insegurança alimentar ou mesmo os sistemas de saúde e educação em ruínas.

“Sem complexidades em relação aos franceses ou aos americanos”, Ousmane Sonko quer renegociar contratos com multinacionais e defende uma saída “responsável e inteligente” do franco CFA, visto como um símbolo pós-colonial.

“Devemos proteger nosso tecido nacional, devemos fortalecer nossos industriais. Os favores fiscais que fazemos aos estrangeiros, é aos nossos nacionais que devemos fazer”, disse.

TERCEIRO MAIS VOTADO NAS PRECIDENCIAIS DE 2019

Ousmane Sonko realmente adquiriu estatura nacional durante a eleição presidencial de 2019. Um criador de problemas “anti-sistema” contra candidatos mais velhos, ele terminou em terceiro com 15% dos votos, ainda muito atrás de Macky Sall, reeleito com 58% da votação.

Se ele se encontra praticamente sem competição dentro da oposição e bem colocado para a eleição presidencial de 2024, é também porque Macky Sall trouxe em sua maioria seu vice-campeão nas eleições presidenciais, o ex-primeiro-ministro Idrissa Seck.

E porque Karim Wade, filho e ex-ministro do ex-presidente Abdoulaye Wade, e Khalifa Sall, prefeito deposto de Dacar, ambos atingidos por condenações por peculato financeiro, continuam atrás da política.

Ousmane Sonko, que usa o tradicional boubou ou o traje ocidental com a mesma elegância, é discreto sobre sua vida privada. Muçulmano, ele aparece regularmente com seu guia religioso Mouride, uma das irmandades mais influentes do país. Sabe-se que ele tem duas esposas e vários filhos.

Ele foi acusado no passado de muita proximidade com os salafistas, uma forma que ele acredita para tentar maculá-lo. As acusações atuais vão no mesmo tom e partem do próprio presidente Macky Sall, ansioso por excluí-lo das próximas eleições, acredita ele, apesar das negativas do chefe de estado. Fonte; AFP

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project