ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Óbito/Fernandinho Teixeira: Pela sua grandeza, dimensão e engajamento Fernandinho Teixeira ficará nos corações de todos – PR 01 Novembro 2022

O Presidente da República, José Maria Neves, disse hoje que o antigo presidente de câmara municipal e deputado da nação, Carlos Fernandinho Teixeira, ficará nos corações de todos pela grandeza, dimensão do seu trabalho e engajamento por Cabo Verde.

Óbito/Fernandinho Teixeira: Pela sua grandeza, dimensão e engajamento Fernandinho Teixeira ficará nos corações de todos – PR

O PR presidiu o acto de homenagem que a autarquia dos Mosteiros prestou a Carlos Fernandinho Teixeira, que foi durante 24 anos, seis como vereador e 18 como presidente da câmara. Visivelmente emocionado, Jos[e Maria Neves disse que Fernandinho Teixeira partiu para brilhar como uma estrela no espaço superior do firmamento, já que ele ficará “eternamente gravado, nas pedras, nas paredes, nos olhares, nas vidas dos mosteirenses, foguenses e cabo-verdianos”.

Estou aqui, na qualidade de Presidente da República, mas esta condição não me inibe de falar de um homem que foi um grande amigo”, enfatizou José Maria Neves, observando que conhece Fernandinho Teixeira há mais de 40 anos e que estiveram juntos em muitos momentos decisivos do País, afirmando, por isso e sem medo de errar que “Fernandinho Teixeira é um grande homem e será eternamente um homem grande”.

Para o PR, quer a família como os amigos devem sentir-se orgulhosos “da grandeza de Fernandinho Teixeira", observando que foi um grande homem e que um homem da grandeza dele nunca morre e por isso continua na memória de cada um.

José Maria Neves qualificou Carlos Fernandinho Teixeira como “um homem probo, coerente, generoso e justo”, acrescentando que foi um pedagogo, um professor que ensinou a muita gente as primeiras letras e introduziu muita gente às ciências e às matemáticas.

“Fernandinho Teixeira fez também durante toda a sua vida a pedagogia política, ensina-nos que é possível fazer política com nobreza, ser coerente, ter causa, respeitar o outro e trabalhar para a realização do bem comum”, adiantando que ele “doou toda a juventude e a vida ao desenvolvimento da ilha do Fogo e de Cabo Verde e mesmo em momentos extraordinariamente difíceis sempre disse presente, nunca deu as costas e sempre deu corpo ao manifesto”.

Para o PR, se existe algo que se deve guardar no mais fundo da alma é a grandeza de Fernandinho Teixeira e na forma como fez política, lembrando que participou activamente nos primeiros diplomas sobre a criação das autarquias locais em Cabo Verde, ainda em finais da década de 80, e depois foi eleito autarca da ilha do Fogo nas primeiras eleições realizadas em finais de 1991.

Enquanto primeiro-ministro de Cabo Verde sou testemunho da luta permanente de Carlos Fernandinho Teixeira para o desenvolvimento deste município. Todos os dias, por todos os canais e todos os meios, reivindicava mais e cada vez mais para o município dos Mosteiros, e cada vez que chegávamos aqui encontrávamos mais uma pedra, mais uma semente para a construção deste município”, disse.

José Maria Neves defendeu que todos, familiares, amigos, mosteirenses, foguenses e cabo-verdianos, devem continuar orgulhosos da grandeza do trabalho que ele realizou, acrescentando que ele deixou muitas luzes que vão continuar a alumiar os caminhos de desenvolvimento dos Mosteiros, do Fogo e de Cabo Verde.

A República presta esta homenagem a este grande filho dos Mosteiros e de Cabo Verde e a melhor homenagem que poderemos prestar é continuar a trabalhar arduamente para que Mosteiros, Fogo e Cabo Verde, cresçam e tenham a grandeza dos sonhos de Carlos Fernandinho Teixeira”, sintetizou José Maria Neves.

Em representação da família, Waldir Teixeira disse que o seu peito encheu-se de orgulho por ver o pai em todas as suas vertentes, nomeadamente pai, professor e político e que hoje foi o momento de se despedir.

Enquanto pai, referiu, sempre transmitiu aos filhos que não ia deixá-los com riqueza, mas com educação e cumpriu com a sua missão, disse o filho, acrescentando que também deixou riqueza que são os muitos amigos.

Como professor, destacou, sempre teve um jeito humano e cuidadoso de tratar os alunos, mostrando sensibilidade e particularidade para a situação de cada aluno, sem esquecer a sua origem simples e humilde porque veio de uma família humilde.

Na qualidade de político, é do conhecimento público o legado deixado, referiu Waldir Teixeira, indicando que o seu pai deixou legado material, que está nas obras, mas o mais importante foi o legado imaterial que está no coração de cada um e o desejo de que estejam sempre juntos para levar Mosteiros para frente já que Mosteiros estava sempre em primeiro lugar, era sua jóia na terra.

Waldir Teixeira, em nome da família, agradeceu às pessoas que participaram no cortejo fúnebre, mas também das mensagens que têm chegado, através de vários meios, que segundo o mesmo são mensagens de solidariedade, de incentivo por aquilo que fez.

Depois da cerimónia de homenagem, que contou com a participação de várias personalidades e cidadãos anónimos, o cortejo seguiu para a igreja matriz onde foi celebrada a missa de corpo presente, seguindo depois a pé até ao cemitério de Laranjo onde, o corpo foi dado à terra. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project