SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Operação policial desmantela oficina que fabricava armas de fogo artesanais na Praia 29 Dezembro 2022

Uma Operação Especial de Prevenção Criminal (OEPC) da Polícia Nacional cabo-verdiana realizada na Praia, que mobilizou cerca de 160 efetivos, desmantelou uma oficina que fabricava armas de fogo artesanais e levou à detenção de nove indivíduos.

Operação policial desmantela oficina que fabricava armas de fogo artesanais na Praia

Em comunicado divulgado esta manhã, a Polícia Nacional refere que a operação, com duração de quatro horas, decorreu quarta-feira nos bairros de Achada Grande Trás, Achada Grande Frente e Paiol, na capital cabo-verdiana, e foi encabeçada pela Direção Central de Investigação Criminal, contando com o apoio de diversos ramos daquela força, nomeadamente do Corpo de Intervenção, em “coordenação com o Ministério Público e apoiada pelo Juiz de Turno do Tribunal da Praia”.

“Esta OEPC enquadra-se dentro do plano da Polícia Nacional ‘Natal e Final do Ano em Segurança’ e teve a finalidade de prevenir ou reduzir o risco de cometimento de crimes com a utilização de armas, mas também o controlo, a deteção, a localização e a apreensão de armas, principalmente as de fogo que estejam em situações de posse ilegal e que podem estar associadas a outros delitos, como sejam, assaltos, agressões e brigas de grupos, preconizando a segurança da Praia em específico”, lê-se no comunicado.

A operação visou a “estratégia técnica operacional com dois propósitos bem definidos”, segundo a Polícia Nacional: “Por um lado, a prevenção/visibilidade e por outro, a repressão, com medidas gerais e especificas para cada um desses propósitos”.

Mediante mandados “emitidos por autoridade competente”, os agentes da Polícia Nacional “realizaram buscas em seis casas” e desmantelaram “um local onde se fabricava armas de fogo denominada ‘boca bedju’, com apreensão de várias peças e ferramentas utilizadas no fabrico”.

A nível de prevenção criminal e repressão foram detidos nesta operação nove indivíduos, cinco dos quais em flagrante delito por prática de crime de armas e posse de drogas e quatro fora de flagrante por cumprimento de mandados de detenção.

Os agentes da Polícia Nacional abordaram e revistaram ainda 159 indivíduos na via publica, apreenderam duas armas de fogo, munições, armas brancas, droga e outros equipamentos.

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, reconheceu em 23 de dezembro um aumento de crimes na cidade da Praia, mas disse que não é preciso dramatizar e nem também normalizar a criminalidade na capital do país.

“Tem havido, sim, recrudescimento de casos de violência e criminalidade na Praia, mas é preciso dizer também que não se deve dramatizar e não se deve criar a perceção de desorientação no funcionamento das instituições”, disse o chefe do Governo.

Correia e Silva fez estas declarações numa altura em que já então decorria operações de segurança para a quadra festiva em todo o país. Por isso, disse que “o crime merece e tem que ter o combate devido” e que as instituições devem “melhorar o seu funcionamento”.

“E existem políticas integradas de combate à criminalidade”, sublinhou o primeiro-ministro, dando conta que até outubro, no âmbito das OPEC na capital do país, foram apreendidas cerca de 600 armas de fogo e 8.823 munições, principalmente no porto da Praia.

“E quem faz negócios com armas e munições tem que ser apanhado e entregue à justiça”, vincou Correia e Silva, entendendo que as operações especiais devem ser rotineiras.

No seu discurso, o primeiro-ministro disse ainda que é preciso alterar a perceção de que se vive num sistema em que os riscos de prisão são baixos para quem pratica o crime.

“Não porque a moldura penal é branda, mas porque questões processuais e de coordenação das ações policiais e judiciais abrem brechas para que essa perceção exista”, alertou, pedindo igualmente um “trabalho social forte” e responsabilização parental.

Particularmente na cidade da Praia, criticou o “ambiente de falta de respeito pela ordem, pela liberdade do outro, pela tranquilidade do outro e a ideia de que tudo pode ser feito sem consequências”.

A Semana com Lusa

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project