A Semana

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

PAICV critica Governo do MpD pela sua desonestidade para com Santiago Norte 19 Fevereiro 2021

Numa conferência de imprensa realiazada esta sexta-feira, na Cidade da Praia, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde aponta o dedo ao Chefe do Executivo cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva por ter abandonado o campo e o Santiago Norte. A Vice presidente da Comissão Política Regional da oposição desta região, Carla Carvalho, acusa o Governo pelo incumprimento das suas promessas e afirma que a postura do presidente do MpD tem um nome: Desonestidade.

PAICV critica Governo do MpD pela sua desonestidade para com Santiago Norte

Para o PAICV, não há nenhum governo que se preze consiga sobreviver sem a prestação de contas, sem o balanço da sua governação. Aliás, Carla Carvalho mostra que qualquer governo digno do nome que ostenta, escancara as portas e partilha com a sociedade, com o povo que o elegeu, os resultados do seu trabalho, as realizações do seu programa, do seu projeto governativo.

“Nunca é demais relembrar que nas eleições de 2016, Ulisses Correia e Silva, havia prometido alavancar a região, concretamente com a criação de um Parque Tecnológico de Agropecuária e aumento da exportação para a mercado nacional e turístico. Os eleitores votaram porque acreditaram nessas promessas, que ele mesmo Ulisses transformou em compromisso logo na noite da vitória, quando agradecia aos cabo-verdianos por terem acreditado nele e no seu MpD”, relembra, acrescentando o Governo do MpD foi desonesto para com Santiago Norte devido ao incumprimento das sua promessas.

“Estamos a falar de uma das maiores regiões do país, composta por seis municípios, com uma população estimada em 121 mil pessoas, e portadora de grandes potencialidades nos domínios da agricultura e pecuária, setores esses, estratégicos no processo de desenvolvimento da Região e do país. Aqui, esses setores são as principais atividades geradoras de rendimento das famílias, com a agricultura a ocupar um espaço central na economia familiar. Por exemplo: somente o concelho de Santa Cruz possui a mais alta taxa (16.2%) da atividade agrícola de regadio do país (MAA, 2015), indica Carla Carvalho.

Campo e Santiago Norte esquecidos pelo Governo do MpD

O PAICV é da opinião que o campo e Santiago Norte foram esquecidos, tanto pelo Governo, como pelo partido que o sustenta. "Ao contrário do que se esperava e se espera, Cabo Verde inteiro está a assistir, estupefato, a um Ulisses Correia e Silva marchando cutelos, montanhas e vales, repetindo as mesmas promessas, os mesmos “vamos fazer”, mas sem fazer nada. E o que é que o Governo de Ulisses Correia e Silva fez para o maior potencial económico de uma região que alberga 121 mil almas?”, questiona.

Em quase cinco anos de governação, com sete orçamento aprovados e a dois meses das eleições, o maior partido da oposição considera que não se conhece, “rigorosamente”, nenhuma política, nenhum projeto ou programa estruturante de desenvolvimento nestes setores por parte desta governação do MpD e de Ulisses Correia e Silva, com destaque para a agricultura que, apesar dos programas e projetos de captação de água subterrâneas e superficiais herdados da governação anterior, “o Governo liderado por Ulisses Correia e Silva não conseguiu desenvolver uma única ação para alavancar a agricultura e transformá-la numa atividade económica geradora de riqueza e do emprego. As grandes bacias hidrográficas da região estão abandonadas. O programa de mobilização de água e modernização da agricultura não passou de conversa fiada até este momento”, aponta.

Pecuária é outro setor primário que o PAICV destaca como “essencial” na sobrevivência das populações rurais e que não se viu nem se ouviu qualquer programa ou projeto para este setor. “O Governo age como se os criadores não existissem, não há crédito, não há qualquer suporte institucional para responder à demanda que os afligem, não há uma porta onde possam bater, porque para o Governo eles não existem, critica, acrescentando que o programa de mitigação da seca foi uma mão cheia de nada. Com efeito, esse programa, se é que foi um programa, não apoiou os agricultores e produtores, não ajudou a salvar o gado e muito menos a mobilizar mais água para a agricultura, apesar de o governo ter “bazofiado” que recebeu 10 milhões de dólares dos parceiros de Cabo Verde para o efeito. O governo fez de cego e surdo face ao lamento dos criadores quando estes começaram a desfazer das suas crias a preço irrisórios”, ressalta.

Nova estratégia para resgatar Santiago Norte

Em jeito de avaliação, o PAICV acha que, passados cinco anos, Santiago Norte não saiu de onde se encontrava, e que tem piorado um pouco, argumentando que as infraestruturas herdadas, os programas e projetos então em curso foram “simplesmente” ignorados. “E os sonhos da Região acabaram sucumbidos pelo peso do descaso e da desonestidade de um governo insensível à demanda coletiva", refere.

Perante a atual situação por que passa a Região, o partido tambarina acredita que é mais do que urgente, um Plano Estratégico para Santiago Norte, com o Agronegócio e o turismo rural na vanguarda. As 121 mil almas que vivem na região merecem respeito e consideração. “Portanto, urge resgatar Santiago Norte, devolver a esperança às famílias e o futuro aos jovens para que, de facto, seja de Todos e para Todos”, conclui.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project