ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

PR alerta para novos tempos com consequências da guerra na Ucrânia: Pede consenso entre forças políticas para tomada de medidas para mitigar o impacto do aumento de preços de produtos e da pobreza no país 29 Mar�o 2022

O Presidente da República alertou, hoje, no ato solene comemorativo dos 51 anos do Município de Santa Cruz, para novos tempos que vivemos com a situação da guerra da Ucrânia na Europa, que está arrastar a humanidade para caminhos trágicos. Como consequência desta realidade adversa, José Maria Neves avançou que famílias enfrentam mais dificuldades com aumento de preços dos produtos e da pobreza, principalmente em Cabo Verde em que a situação agravou-se com a pandemia de covid-19 e os três anos consecutivos de seca. Por isso, apela para tomada de medidas com impactos positivos na vida dos cabo-verdianos, «que devem ser gizadas num quadro de consenso entre as principais forças políticas».

PR alerta para novos tempos com consequências da guerra na Ucrânia: Pede consenso entre forças políticas para tomada de medidas  para mitigar o impacto do aumento de preços de produtos e da pobreza no país

«Vivemos novos tempos, em que assistimos, impotentes, a uma situação de guerra na Europa, que ofende o bom senso e a civilização, beirando a barbárie, e que pode arrastar a humanidade para caminhos ainda mais trágicos. Estes terríveis acontecimentos têm lugar antes que o mundo se liberte completamente da pandemia da Covid-19, e das suas consequências nefastas e duradoras para todos, incluindo para Cabo Verde», afirmou o chefe de Estado, no seu discurso no ato solene comemorativo dos 51º aniversário do Município de Santa Cruz.

Para José Maria Neves, no nosso caso, e para agravar, tudo isso foi antecedido de três anos de seca severa, com consequências para aumentos de preços de produtos e pobreza e com mais famílias a encentrar dificuldades. «Como consequência desta realidade adversa, muitas famílias, as mais carenciadas, enfrentam dificuldades acrescidas, a pobreza aumentou e o PIB recuou 14,8%. Esta conjuntura exige que sejamos ainda mais resilientes. O aumento generalizado de preços que se verifica atualmente, particularmente após a eclosão da guerra na Ucrânia, que atinge sobretudo as camadas menos possidentes da sociedade, e a difícil situação por que passam as empresas, com o evidente perigo de colapso e consequências muito nefastas para o emprego e o rendimento das famílias, requerem medidas urgentes, ousadas e inovadoras. Tais medidas, pela sua amplitude e impacto, devem ser gizadas num quadro de consenso entre as principais forças políticas», analisou JMN, que disse esperar que haja abertura e disponibilidade de todos os atores políticos relevantes para tal empreendimento.

Poder local e combate a «presentismo de curto-prazismo»

Na sua comunicação, o PR fez uma reflexão sobre o poder local em Cabo Verde e considerou que aos municípios sempre estará reservado um papel muito relevante, isto devido à sua proximidade com a população e seus desafios. Mas defendeu para a necessidade de se fazer mudanças na forma de atuação dos órgãos autárquicos. «Quarenta e sete anos depois da Independência Nacional, e trinta de Poder Local democrático, já se fez muito, mas não se pode continuar a fazer tudo da mesma forma e ao mesmo ritmo, sob pena de perdermos terreno já conquistado. Há que refletir e questionar se, face aos ingentes desafios da atualidade, as mesmas soluções que já vêm sendo aplicadas há décadas continuam com a mesma eficácia e validade, nos dias de hoje. Precisamos fazer roturas e acelerar o passo», pediu.

Neves defendeu que se deve ultrapassar a perspetiva assistencialista e imediatista, evitando a prática de navegação à vista. «Mesmo para resolver problemas que, na sua aparência, são percecionados como sendo conjunturais, se tentarmos aplicar soluções com base numa prática de “navegação à vista”, estaremos apenas a adiar os problemas, não a resolvê-los.Com este tipo de pensamento, estaríamos apenas a gerir a pobreza e a reciclar o subdesenvolvimento, adiando um futuro de mais prosperidade para todos os cabo-verdianos. Novos problemas exigem novas soluções».

Ainda no que se refere às autarquias locais, desafiou que se deve pugnar por um Desenvolvimento Local e Regional sustentável e construir uma visão partilhada de desenvolvimento a médio e longo prazos, combatendo um certo“presentismo”, de “curto-prazismo». « Quer dizer que devemos evitar a ideia de um certo ‘presentismo’, de ‘curto-prazismo’, em que, não raras vezes, o investimento acaba por se sujeitar aos ciclos eleitorais».

Sugeriu que o objetivo deve ser uma governança local sustentável, que crie as condições para a geração de mais empregos, bem como oportunidades para a formação profissional e para o investimento privado.

«Concomitante com essa melhoria de qualidade, ou melhor, para que ela realmente possa acontecer, a atuação da Assembleia Municipal é fundamental, pelo seu papel fiscalizador. Assim, há que superar alguns défices funcionais das Assembleias Municipais e procurar cumprir, na plenitude, a sua função fiscalizadora e de controlo das atividades da Câmara Municipal», recomentou o PR.

JMN alertou ainda que, um pouco por todo o país, e muitas vezes por pressão da tesouraria, assiste-se a uma gestão menos criteriosa do património municipal, nomeadamente à adoção de uma atitude rentista na alienação de solos, sem garantir a democraticidade no acesso e a criação de oportunidades para famílias e empresas. «Para pôr cobro a esta situação que cria sérios problemas de ordenamento territorial, defendo que todos os municípios devem comprometer-se a implementar, de forma rigorosa, os instrumentos de planeamento e de gestão do seu território. Num país pequeno, a disponibilidade de solos utilizáveis, tanto para edificação ou para outros fins, é sempre muito limitada. Daí que a sua gestão deve ser muito parcimoniosa», advertiu.

Santa Cruz e caminho a percorrer

Referindo-se ao Município de Santa Cruz, o mais alto magistrado da nação realçou os ganhos alcançados, mas alertou que o caminho a percorrer exigirá mudanças, tal como cantou a sábia Nha Nácia Gomes: “sima nu krê nu ka podi sta; sima nu sta nu ka podi fika!

Ou seja, indicou que o caminho a percorrer vai exigir nova mentalidade, muita disponibilidade para inovar, aceitar desafios e mudanças, tudo determinado pela necessidade de dar um salto qualitativo no nosso processo de desenvolvimento. «Sem perder de vista naturalmente o momento de mudanças históricas e às vezes dramáticas por que passa a humanidade e que nos influencia em muitos aspetos. Somos chamados a ter um pensamento estratégico a partir das vantagens e potencialidades de cada município, encontrar o rumo certo, e construir fatores de competitividade», aconselhou.

Para o chefe do Estado, Santa Cruz é um município com muitas potencialidades que não estão totalmente exploradas. «Posso mencionar apenas as áreas da agricultura e pecuária e a possibilidade de transformação e conservação de produtos agrícolas e pecuários; o tratamento e conservação de pescado; os benefícios de um cais para a descarga de pescado ou para escoamento da produção agropecuária; incremento do turismo, sendo que o município pode oferecer uma oferta variada».

O PR agradeceu o convite do Edil Carlos Silva, para estar presente nas celebrações do 51º aniversário do Município de Santa Cruz, cujo ato solene decorreu, hoje, nos Paços do Concelho.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project