SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Morre o músico e compositor Antero Simas – PR considera que foi um grande homem que elevou bem alto o nome de Cabo Verde 16 Junho 2022

O autor, compositor e intérprete cabo-verdiano Antero Simas morreu hoje nos Estados Unidos da América, aos 70 anos, vítima de doença prolongada, confirmou fonte familiar. Reagindo à essa notícia que coloca o país de luto, o Presidente da República, José Maria Neves, considerou que Antero Simas foi um “grande homem” da cultura cabo-verdiana, que “elevou bem alto” o nome do país e que será eternizado pela sua obra.

Morre o músico e compositor Antero Simas – PR considera que foi um grande homem  que elevou bem alto o nome de Cabo Verde

Segundo revela a Inforpress, Antero Euclides Simas Correia e Silva nasceu na cidade da Praia, a 07 de Outubro de 1952, e vivia actualmente nos EUA, por razões de saúde.

Antigo funcionário da ASA, quase toda a sua vivência musical aconteceu na ilha do Sal.

Foi vencedor do Prémio Carreira, da Socieddae Cabo-verdiana de Música (SCM), que, embora ausente, não deixou de enviar a sua mensagem através de vídeo, demonstrando a sua satisfação e emoção pela escolha do seu nome.

“As minhas emoções não têm limites, se calhar não merecia que Deus me desse tanto. É extraordinário o que recebi de Deus, da SCM e de Cabo Verde. Obrigado a todos os cabo-verdianos!”, disse na época Antero Simas, que se fez representar, presencialmente, pelos netos e pela filha Miriam Simas.

Conforme ainda a Inforpress, a sua aptidão para a música aconteceu bastante cedo, ainda na Praia, onde fez os estudos primários e secundários. Além do ambiente familiar, na zona do Platô, onde cresceu, quase todos os seus amigos executavam algum instrumento musical.

Na década de 60, ajudou a criar “Os Apolos”, um dos primeiros grupos a explorar ritmos até então desconhecidos do grande público, um dos quais talaia baxu, da ilha do Fogo.

O compositor vem de uma família musical, tem mais de 40 composições, das suas criações, a mais famosa é “Doce Guerra”, morna na qual expressa o seu amor por Cabo Verde, a partir das particularidades de cada ilha.

Composições gravadas: Doce Guerra, Destino di criola, Fidjo Rei di Funaná, Joana Santana, Rotcha Nu, Alma Violão, Matchamor, Nha Morna, Súplica, Amiga, Manuel Piscador e Maria coxa redondo.

PR considera que Antero Simas foi um homem que elevou o nome do país

Entretanto, o Presidente da República considerou que Antero Simas, falecido hoje EUA, aos 69 anos, vítima de doença prolongada, foi um “grande homem” da cultura cabo-verdiana, que “elevou bem alto” o nome do país e que será eternizado pela sua obra.

“Antero Simas é eterno, a obra dele falará por ele, deixa-nos temporariamente aqui na terra para resplandecer nos céus do mundo”, afirmou , segundo a Inforpress, José Maria Neves, em reação ao felecimento do artista.

Paraq o Chefe de Estado, o malogrado é um “grande homem da cultura cabo-verdiana, um grande compositor, cantor, e, sobretudo, “um homem que elevou bem alto o nome de Cabo Verde, através da música”.

“Cabo Verde, a minha Doce Guerra, é um hino aos cabo-verdianos, cria a ideia da amizade, da irmandade de que todos nós, todas as ilhas, a diáspora junta podemos construir um grande Cabo Verde, da grandeza dos nossos sonhos”, assinalou.

Nesta hora de dor, o Presidente da República dirigiu um “grande abraço de amizade e de solidariedade” a todos os artistas, compositores e músicos cabo-verdianos, como também a toda a família enlutada, destacando que a República saberá homenagear o malogrado.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project