ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Alerta: Líder do PAICV afirma que ações do Governo “colocaram o futuro colectivo em risco e atrasaram o desenvolvimento do país” 24 Fevereiro 2021

Mais uma alerta aos cabo-verdianos, a dois meses das legislativas de 18 de Abril. A líder do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Janira Hopffer Almada, afirmou, hoje, que, nestes cinco anos, as acções do Governo “colocaram o futuro colectivo em risco e atrasaram o desenvolvimento do país”.

Alerta: Líder do PAICV afirma que ações do Governo “colocaram o futuro colectivo em risco e atrasaram o desenvolvimento do país”

Janira Hopffer Almada, que intervinha no debate parlamentar sobre « Cabo Verde e o papel do Estado no desenvolvimento» com o primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, que decorre hoje na Assembleia Nacional, na Cidade da Praia, reconheceu, segundo a Inforpress, que a covid-19 teve impacto negativo mas, em seu entender, esse facto “não justifica a inércia e o descalabro registados”.

Para a líder do maior partido da oposição, este é um “momento importante”, pois, o mandato da IX legislatura está na recta final e a avaliação que os cabo-verdianos fazem do desempenho do actual Governo “está muito longe de ser positiva”.

“As promessas feitas foram guardadas na gaveta, as reformas estruturantes foram adiadas, o País foi gerido, nestes últimos cinco anos, sem uma visão e sem uma estratégia, com uma navegação ao sabor do vento, o executivo ficou embrulhado nos seus compromissos e sujeito a pressões de todo o tipo e sem tomar as decisões que o tempo nos impunha”, criticou Hopffer Almada, salientando que agora é o momento de construir um novo futuro, onde cada cabo-verdiano terá a oportunidade de participar nessa construção, de um Cabo Verde que se quer para todos.

Conforme a mesma fonte, o Governo dos últimos cinco anos, apontou, trabalhou sem uma agenda ajustada à realidade e propiciadora de rupturas tão necessárias às reformas e à transformação económica e social, lembrando que o Governo foi eleito para aproveitar o que encontrou de bom, corrigir aquilo que estivesse mal e acrescentar novos ganhos, em prol do desenvolvimento do país e do bem-estar dos cabo-verdianos.

Janira Hopffer Almada alertou que os desafios que Cabo Verde irá enfrentar nos próximos tempos, enquanto pequeno Estado insular, “serão enormes”, e afiançou que é fundamental que países pequenos, como Cabo Verde, sejam “estratégicos”, “oportunos” e estejam preparados para qualquer um dos resultados plausíveis.

No seu entender, Cabo Verde deve aproveitar a actual crise para redefinir a sua agenda futura e deve estar preparado para dar um “salto qualitativo” para um novo patamar, declarando que o “o objectivo do PAICV é responder com ousadia aos desafios que o País enfrenta, para fazer emergir uma nova nação cabo-verdiana, nos próximos anos e décadas, como um exemplo em África e no mundo”.

“A nossa agenda abrangente é construir um novo Cabo Verde, que seja para todos. Neste novo Cabo Verde, a nossa visão nacional é construir uma nação inclusiva, justa e próspera, com oportunidades para todos”, revelou, acrescentando que a visão do PAICV se assenta nos pilares do funcionamento do Estado, da economia, da agricultura, do sector privado, do capital humano e do sector social.

Desemprego e prioridades do PAICV nas legislativas

A líder do PAICV garantiu, por outro lado, que todas as intervenções de políticas serão avaliadas pelo seu impacto na criação de empregos, na capacidade de reduzir a desigualdade e a pobreza e na capacidade de promover a sustentabilidade.

Reiterou que a agenda do partido para a próxima legislatura será empreender mudanças estruturais e desenvolver novos sectores industriais e de serviços.

Janira Hopffer Almada prometeu que o PAICV, na sua agenda, dará uma atenção especial aos sectores da justiça, da segurança, das TIC e das Telecomunicações.

Segundo ainda a Inforpress, JHA argumentou ainda ser fundamental reconstruir o sector do transporte aéreo e o sector marítimo, indicando que o PAICV está decidido a renegociar, seja o acordo de privatização dos TACV, seja o da concessão de transportes marítimos porque, justificou, “esses acordos devem ser revistos para garantir a prestação de um serviço de qualidade, mobilidade de pessoas e cargas e a unificação do mercado nacional”.

“Entramos num estado de emergência política nacional em que ou mudamos agora ou continuamos nesta recta descendente, de futuro incerto e de consequências imprevisíveis. O que podemos garantir é que estamos aqui, totalmente disponíveis, para juntos materializarmos o sonho de ter um Cabo Verde onde “kada kriston ten direito a si gota d’agu (cada cristão tem direito à sua gota de água)”, concluiu a lider do maior partido da oposição no debate parlamentar com o Primeiro-minisitro.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project