INTERNACIONAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Parlamento Europeu suspende mandato da vice-presidente Eva Kaili 10 Dezembro 2022

O Parlamento Europeu (PE) suspendeu o mandato de vice-presidente da eurodeputada social-democrata grega Eva Kaili, detida na sexta-feira na Bélgica, foi hoje anunciado.

Parlamento Europeu suspende mandato da vice-presidente Eva Kaili

"Àluz das investigações judiciais em curso, realizadas pelas autoridades belgas, a presidente [do Parlamento Europeu, Roberta] Metsola decidiu suspender, com efeitos imediatos, todos os poderes, deveres e funções que foram delegados a Eva Kaili na qualidade de vice-presidente do Parlamento Europeu", revelou, segundo a Lusa, hoje um porta-voz da líder do PE.

A eurodeputada Eva Kaili foi detida na sexta-feira na Bélgica, juntamente com outras quatro pessoas, no âmbito de uma investigação sobre um alegado lóbi ilegal do Qatar para influenciar decisões políticas em Estrasburgo.

As detenções ocorreram no seguimento de, pelo menos, 16 rusgas, numa investigação sobre suspeitas de pagamentos "substanciais" de um país do Golfo para influenciar as decisões dos deputados europeus.

O Ministério Público federal não nomeou o país, mas uma fonte judicial próxima do caso confirmou à agência AFP que se tratava do Qatar, como revelaram os meios de comunicação social Le Soir e Knack.

O caso surgiu a meio do Campeonato do Mundo em 2002, quando o país anfitrião teve de fazer esforços para defender a sua reputação de respeitar os direitos humanos, especialmente os dos trabalhadores.

Conforme a mesma fonte, o caso assumiu uma dimensão extra quando a identidade da quinta pessoa presa na sexta-feira à noite foi confirmada, tratando-se da eurodeputada grega Eva Kaili, uma antiga apresentadora de televisão de 44 anos de idade que se tornou uma figura da social-democracia no seu país. É ainda vice-presidente do Parlamento Europeu, juntamente com outros 13 deputados europeus.

Hoje, as audiências de cinco suspeitos prosseguiam em Bruxelas, segundo um porta-voz do Ministério Público federal.

A ação levou os eurodeputados verdes e social-democratas a anunciarem que se iriam opor na segunda-feira ao início das negociações sobre a liberalização dos vistos para os naturais do Qatar na União Europeia, uma vez que as suspeitas de corrupção envolvem este país.

Segundo ainda a Lusa, na segunda-feira, em Estrasburgo, os eurodeputados deveriam aprovar o início das conversações entre o Parlamento Europeu e os Estados-membros da UE para finalizar um texto que facilite o regime de vistos para os viajantes do Qatar e do Kuwait.

O texto, que já recebeu luz verde dos Estados membros no final de junho, isentaria os nacionais do Qatar e do Kuwait que viajassem para o bloco UE da obrigação de visto por um período máximo de 90 dias, sujeito a um acordo recíproco com ambos os países.

"Tolerância zero para a corrupção. Os Verdes opor-se-ão ao mandato de iniciar negociações sobre a liberalização de vistos com o Qatar na segunda-feira", disse o eurodeputado verde Terry Reintke no Twitter.

Por seu lado, o grupo social-democrata (S&D) apela à "suspensão dos trabalhos sobre todos os dossiês e votações relativos aos Estados do Golfo, em particular sobre a liberalização dos vistos".

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project