ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Parlamento: OE’2023 prevê um milhão de contos para injecção na TACV, confirma o ministro 10 Novembro 2022

O ministro do Turismo e dos Transportes confirmou hoje que, à semelhança do que aconteceu em 2022, o Governo vai em 2023 injectar mais um milhão de contos na TACV, para o restabelecimento da companhia até à sua privatização.

Parlamento: OE’2023 prevê um milhão de contos para injecção na TACV, confirma o ministro

Aprovamos um plano de estabilização em Dezembro de 2021 estamos a dar continuidade à sua aplicação no meio de toda esta tormenta das crises e de todas as prioridades que o Governo tem, mesmo assim nós estamos a disponibilizar verbas para continuar a estabilizar a companhia”, disse Carlos Santos ao falar da rubrica transportes no Orçamento de Estado.

Muito recentemente aprovamos uma verba de uma milhão de contos para 2022. queremos fazê-lo em 2023 e 2024 até a reprivatização da empresa, que é um desiderato, é um objectivo que queremos perseguir”, explicou o governante.

O ministro garantiu que o Governo vai continuar a fazer este trabalho para à semelhança do que acontece em todo mundo, proteger e salvar a companhia de bandeira depois desta situação que houve com a pandemia da covid-19 e também por entender que a TACV é uma peça essencial no processo de desenvolvimento do país e no processo de implementação do conceito de país plataforma.

A declaração e o anúncio do ministro Carlos Santos mereceu uma pronta reacção do líder da bancada parlamentar do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), João Baptista Pereira, que considerou pouco sério o Governo estar a justificar o descalabro da TACV e as sucessivas injecções de dinheiro na empresa com a pandemia de covid-19.

“Nos TACV os senhores disseram que não iam injectar um centavo. O que fizeram? Em 2018 injectaram mais de 3 milhões de contos, em 2019, mais de dois milhões fizeram a privatização que fizeram e neste momento os senhores já deram prejuízos a Cabo Verde de 7 milhões e 500 mil contos só com os TACV”, precisou João Baptista Pereira.

O deputado do principal partido da oposição falou ainda do processo da privatização, da injecção de 15 milhões de dólares para trazer o avião nas vésperas das eleições e dos custos do arresto do avião fora do quadro contratual que obrigou o Estado a pagar aos parceiros estratégicos um milhão de dólares.

Vêm ainda neste momento falar aos cabo-verdianos que isso tudo é culpa da pandemia, da guerra na Ucrânia. Os senhores estão à vontade nesta terra porque não são fiscalizados. Os cabo-verdianos sabem que os senhores não estão a perseguir o interesse público. E isso configura desvio de poder”, disse João Baptista Pereira. A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project