POLÍTICA

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Parlamento: PAICV e MpD trocam acusações sobre acumulação de funções políticas e gestão de empresas 28 Maio 2020

Deputados do PAICV e do MpD trocaram acusações sobre a acumulação de funções políticas e de gestão de empresas privadas por parte de deputados durante a sessão parlamentar de hoje.

Parlamento: PAICV e MpD trocam acusações sobre acumulação de funções políticas e gestão de empresas

Essa discussão foi suscitada, segundo a Inforpress, pela declaração política do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição) que questionou sobre os contratos existentes entre o Governo e a empresa do deputado Miguel Monteiro, IT Solutions, bem como dos eventuais concursos que terão levado à sua contratação para prestar serviços à Administração Pública.

Na defesa de sua honra, o deputado Miguel Monteiro disse que a criação da empresa foi legal e em nenhum momento pediu à sua “mãe para criar uma fundação” e enquanto ministro “mandar pagar as contas” da fundação, “assim como outros fizeram”.

De acordo com a mesma fonte, apontou ainda que não optou por criar uma associação camarada para que essa mesma associação recebesse 10 mil contos sem estar constituída e continuar a receber durante largo tempo, sem registo no Boletim Oficial, ou então ter vários salários com acumulação de funções.

Conforme disse, a criação da empresa “zela pelo bom nome”, colocou a empresa em seu nome e manifestou-a na sua declaração de rendimentos.

Para o PAICV, na posição defendida pelo deputado Nuias Silva, a declaração política do maior partido da oposição “é oportuna”, porque versa sobre aquilo que todos devem defender com muita guerra, que é a transparência nos negócios públicos.

Segundo referiu, “ninguém acusou o deputado Miguel Monteiro” por ser empresário mas o que se está a denunciar “é uma relação perigosa” entre uma empresa e um detentor de um alto cargo na Administração Pública com poder de influenciação e de decisão.

“O que o deputado Miguel Monteiro fez é condenável e a Procuradoria-Geral devia investigar isso”, sublinhou Nuias Silva citado pela Inforpress

O deputado assegurou ainda que no PAICV “ninguém tem essa prática”, mas são empreendedores e “não oportunistas como o deputado Miguel Monteiro”, refere a mesma fonte.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project