NOTÍCIAS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Paulina Chiziane é laureada Camões 2021 — "Este prémio serve para despertar as mulheres e fazê-las sentir o poder que têm por dentro" 20 Outubro 2021

A escritora moçambicana Paulina Chiziane é a vencedora do 33º Prémio Luís de Camões, anunciou no início da tarde desta quarta-feira, 20, em Lisboa a ministra portuguesa da Cultura. Graça Fonseca destacou que a mais elevada distinção da literatura portuguesa reconhece o conjunto da obra ficcionista da "contadora de histórias" que é a primeira moçambicana a escrever um romance, em 1990.

Paulina Chiziane é laureada Camões 2021 —

"O júri decidiu por unanimidade atribuir o Prémio Camões à escritora moçambicana Paulina Chiziane". O prémio no valor monetário de 100 mil euros foi instituído conjuntamente pelo Brasil e Portugal em 1988. Foi atribuído pela primeira vez no ano seguinte ao escritor Miguel Torga.

A premiada da 34ª edição que se estreou aos trinta e cinco anos, em 1990, com o livro Balada de Amor ao Vento tem um percurso de vida "muito a ver" com a história de Moçambique, já que desde a adolescência participou da luta da libertação nacional.

Doze anos depois do romance de estreia, o reconhecimento público veio com Niketche: uma história de poligamia, de 2002, que chegou a ganhar o Prémio José Craveirinha, da Associação de Escritores Moçambicanos. O mais recente livro de Paulina Chiziane é O Canto dos Escravizados, de 2017.

Dedica Camões às mulheres

O Prémio Camões 2021 serve para valorizar o papel das mulheres numa altura em que o seu trabalho ainda é subvalorizado, disse esta quarta-feira à Lusa a escritora moçambicana Paulina Chiziane, depois de receber a distinção.

"Afinal a mulher tem uma alma grande e tem uma grande mensagem para dar ao mundo. Este prémio serve para despertar as mulheres e fazê-las sentir o poder que têm por dentro", referiu a novel laureada com o mais importante prémio da língua portuguesa.

Fontes: opais.co.mz/SIC TV/Terra.br/Lusa. Fotos: Paulina Chiziane escreve sobre o protagonismo feminino. O seu livro mais conhecido é Niketche: uma história de poligamia, de 2002.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project