SOCIAL

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Pessoas com Deficiência: Associações manifestam satisfação por medidas anunciadas e esperam funcionamento na prática 24 Setembro 2022

Três associações de pessoas com deficiência manifestaram-se satisfeitas com as medidas de promoção e inclusão anunciadas pelo Governo, que incluem a reforma do sistema de Segurança Social e o novo Código Laboral.

Pessoas com Deficiência: Associações manifestam satisfação por medidas anunciadas e esperam funcionamento na prática

Em declarações à Inforpress, para uma reação às medidas anunciadas para 2023, a presidente da Associação Colmeia, Isabel Moniz, afirmou tratar-se de uma “boa medida”, já que o maior problema das associações que cuidam do interesse das pessoas com deficiência é a disponibilidade de especialistas para tratar das diferentes patologias que caracteriza uma pessoa com deficiência.

“É muito bom, pois é mais tecnicidade por ser pessoas que trabalham voltadas para estas áreas. Nós, por exemplo, temos falta de terapêutica ocupacional em Cabo Verde”, disse, avançando tratar-se de uma das áreas que “muito beneficia” as pessoas com deficiência, mas cuja resposta
“é parca no País”.

Isabel Moniz considerou ainda a reforma da Segurança Social e do Código Laboral, anunciada pelo ministro” de “importante” por vir a produzir “melhorias nas famílias e pessoas com deficiência”.

Apesar da satisfação que a presidente da Colmeia diz ter sentido ao escutar estes anúncios, admitiu “uma certa reserva”, já que o mundo global passa por problemas com a guerra da Ucrânia e o ano 2023, segundo o ministro das Finanças, vai ser de “aperto”.

“Quando as pessoas com deficiência passam por situações difíceis, com aperto que se avizinha tornar-se-ão muito mais vulneráveis. É bom que estas medidas se concretizem para que possamos colmatar as necessidades desta população que já é indefesa”, acentuou.

Por seu lado, a presidente da Associação Acarinhar, Teresa Mascarenhas, o anúncio de que o Governo está a trabalhar para garantir a presença de mais especialistas para atender as pessoas com deficiência e com diversas patologias é de “extrema importância”.

Isso, segundo disse, porque crianças com deficiência no País deparam-se com “necessidades múltiplas” e que nem sempre existem técnicos das áreas mais necessitadas.

“Há pouco tempo, no âmbito de parcerias, trouxemos dois especialistas do Brasil por um período de quinze dias, que realizaram avaliações das nossas crianças e promoveram capacitações de empoderamento dos técnicos nacionais e das famílias”, acrescentou, adiantando esperar a prática dos anúncios.

Conforme Teresa Mascarenhas, se houver apoio assim como foi anunciado as pessoas com deficiência serão incluídas e terão uma vida “mais afável”.

A presidente da APIMUD, Eurídice Andrade, por seu lado, realçou ter recebido de “bom agrado” o anúncio do aumento do duodécimo para as associações que lidam com pessoas com deficiência, em 2023, e diz esperar que tudo isso seja transformado na prática.

“São medidas que todas as associações que lutam por esta camada populacional necessitam para promover a inclusão”, indicou, sublinhando, por outro lado, os problemas que têm enfrentado com ausência de médicos especialistas para algumas patologias características de pessoas com deficiência.

Neste domínio apontou especialidades de fonoaudiologia, neurologia e outros como áreas que maiores dificuldades têm para dar respostas e obter soluções para as pessoas com deficiência.

Quanto ao reforço dos projectos de inclusão e a reforma do sistema de Segurança Social e do novo Código Laboral, tendo em conta as pessoas com deficiência, Eurídice Andrade considerou tal decisão de “excelente” para a autonomia dessas pessoas, visto que os obstáculos à integração muita das vezes começa na expectativa das famílias.

Criticou também alguns serviços, nomeadamente, a Delegacia da Saúde onde pessoas com deficiência vão a procura de atestado médico para comprovar a sua deficiência junto da Promoção Social e lhes é recusado, alegando os médicos de que estes “não são incapazes”.

No sábado, 17, o ministro da Família, Inclusão e Desenvolvimento Social, Fernando Elísio Freire, anunciou para 2023 o aumento de duodécimos destinado às associações de cuidam de pessoas com deficiência e dos idosos, visando com isso promover a igualdade de oportunidades.

Para além destas, o ministro anunciou a reforma do sistema de segurança social e do novo código laboral, tendo em conta as pessoas com deficiência.

Ainda segundo o governante, durante o ano 2023 vai ser introduzido no sistema mais três mil novas pensões, o que equivale a um aumento do orçamento a volta de 216 mil contos, sendo que a prioridade será para as pessoas com deficiência.

A Semana com Inforpress

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project