ACTUALIDADE

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Polémica: Pedro Alexandre Rocha contesta visita do Presidente da Guiné Equatorial a Cabo Verde 16 Abril 2019

A visita que o Presidente da Guiné Equatorial começou esta segunda-feira a Cabo Verde está envolta em polémica. O ex-auatrca e dirigente do MpD Pedro Alexandre Rocha (ver foto na rada pé desta peça) alertou, na sua conta de facebook, que a Nação deve saber que o hóspede, hoje, do Presidente Jorge Carlos Fonseca, «é um ditador com as mãos sujas de sangue do seu povo», que deslumbrou o seu anfitrião, (PR de Cabo Verde ), por ocasião do aniversário da independência da Guiné Equatorial, com o aparato militar em parada.

Polémica: Pedro Alexandre Rocha contesta visita do Presidente da Guiné Equatorial a Cabo Verde

«Hoje, o nosso Presidente da República deve ter a vergonha de receber o chefe de uma oligarquia que se instalou na Guiné Equatorial há décadas de anos e dispõe dos recursos desse país (o petróleo) para sustentar a sua ganância do poder, a opulência, a luxúria e o ego incontido de governar e oprimir», postou Pedro Alexandre Rocha.

Para a mesma fonte, Teodoro Obiang e o seu filho Teodorin Obiang, Presidente e Vice-presidente, respectivamente, da Guiné-Equatorial, são pai e filho que se tornaram donos de um pequeno país africano rico em petróleo, que fazem e desfazem, a seu bel-prazer, da riqueza desse martirizado povo equato- guineense.

«A CPLP fecha os olhos e finge que não sabe ou não conhece que esses senhores ( pai e filho) perseguem todos aqueles que ousam confrontar o seu regime, prendem e matam, barbaramente, os seus opositores políticos», escreve o antigo autarca e deputado nacional do MpD.

Rocha contesta ainda que « os nossos governantes, em nome "do politicamente correcto" recebem, dão guarida e branqueiam a imagem desse ditador sanguinário» para ficarem bem na fotografia perante ele e perante a Comunidade de governantes .

O político ventoinha critica o facto de o Presidente Jorge Carlos Fonseca ter sido recebido por um aparato militar, quando visou Guiné-Equatorial. «Não sabia o nosso Presidente (JCF) que os ditadores, normalmente, intimidam o seu povo e impressionam os seus convidados, com a ostentação do poder e não viu, que aí ao lado desse aparato, havia um povo miserável e oprimido, vivendo na pobreza extrema, sem voz e sem expressão, diante de pai e filho que detêm todo o poder nesse pequeno e rico país em recursos», questiona Pedro Alexandre Rocha na sua página de facebook.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade





Mediateca
Cap-vert

Uhau

Uhau

blogs

publicidade

Newsletter

Abonnement

Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project