MUNDO INSÓLITO

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Polémica no almoço de Natal 20 Dezembro 2021

Prato cheio de satisfação para quem serve — "todos os nosso alunos gostaram, como provam as carinhas felizes e os pratos vazios" — e zerado de satisfação para quem pagou. Esta quadra natalícia o ditado constata que o mundo é feito de paradoxos como este que ocorreu numa escola inglesa onde os pais ficaram mais que zangados ao ver o prato com o almoço de Natal de três libras e meia (465$).

Polémica no almoço de Natal

Um pãozinho, uma fatia de fiambre, outra de peru e uma empada. O indignado pai duma aluna publicou no Twitter a foto com a legenda "Miséria de almoço de três libras e meia".

Depois desse pai, Ciaran Walsh, seguiram-se outros. Nas redes sociais partilharam fotos e reações.

"Estou mesmo preocupado com isto. É para isto que estou a pagar? Eu a pensar que era uma refeição decente da cozinha da escola e afinal não passa disto!".

"Uma vergonha: £3.50 por um pãozinho seco, um naco de peru, um pedacinho de salsicha e um bocadinho de recheio! E não deram nada a quem não quis isto. Diabólico este almoco de Natal".

"Deviam ter vergonha desta maldita refeição que chamam de refeição de Natal".

É a Covid

A direção da escola do ensino básico e secundário Steyning Grammar School and Sixth Form College — que na sexta-feira enviou um email a todos sobre o sucesso do almoço de Natal, "de que todos os nosso alunos gostaram, como provam as carinhas felizes e os pratos vazios"— no sábado teve de fazer marcha-atrás.

Em nova carta aos pais, pediram desculpas e prometeram reembolsar o montante despendido. Justificaram que "este ano, o almoço de Natal ficou aquém do padrão devido a imprevistos na cadeia de fornecimento e na disponibilidade do pessoal causados pela Covid-19".

Fontes: Sky News/West Sussex County Times.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    publicidade

    Newsletter

    Abonnement

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project