REGISTOS

A SEMANA : Primeiro diário caboverdiano em linha

Polónia: Fim do carvão — "E agora, como vamos ganhar o pão?" 31 Janeiro 2021

O carvão continua a ser a matéria-prima mais utilizada, 80 por cento, na produção de eletricidade da Polónia, país que se comprometeu a tornar-se mais verde no mais curto espaço de tempo. Missão difícil.

Polónia: Fim do carvão —

Na Silésia, é já sentido como um desastre económico e social o fecho das treze últimas explorações mineiras previsto para os próximos anos.

Uma reportagem da AFP dá conta do modo como a população da região mineira, no sudoeste da Polónia —onde a população há mais de dois séculos convive com o ar pesado e o céu enevoado pela poluição industrial —, vive a perspetiva dessa transição do carvão para a energia verde.

Em Ruda Slaska, localidade de 130.000 habitantes, Rafał Rzaczek, de 28 anos, a banhar-se ao sol de janeiro na maior praça, conta que aos 23 anos começou a trabalhar na mina de Bielszowice, como operador das máquinas que transportam homens, materiais e carvão.

Na sua família — uma entre milhares da região que é o coração da extração carvoeira —, todos trabalham em ligação com a mina: "o pai, a mãe, a irmã, o sogro, todos e todas". A esposa de Rafał é a única exceção.

"Eu sabia que era um trabalho difícil, porque cresci a ver o meu pai e o meu avô" na labuta em que a família está há quase cem anos. "Mesmo assim, quis fazer disto a minha profissão. Sim, por causa da tradição na família, mas também pelo salário".

Na Silésia, onde nos anos de 1980 o apelo de Walesa para democratizar a Polónia encontrou eco imediato junto dos mineiros, paira no ar a pergunta a que ninguém sabe responder: — E agora, como vamos ganhar o pão?

Fontes: AFP/www.cdc.org. Foto (AFP/Getty): O carvão omnipresente, dele têm vivido há mais de duzentos anos na Silésia. Mas a revolução verde na União Europa ditou o fim das minas.

Os artigos mais recentes

100% Prático

publicidade


  • Mediateca
    Cap-vert

    Uhau

    Uhau

    blogs

    Copyright 2018 ASemana Online | Crédito: AK-Project